Sacrifício de aves expande a gripe, alertam especialistas

A organização internacional de ornitologia BirdLife advertiu nesta quinta-feira que o sacrifício de aves aquáticas silvestres e a drenagem de pântanos poderiam expandir indiretamente a gripe aviária devido à dispersão e a pressão sobre os sobreviventes.A organização se opõe "por razões práticas e conservacionistas" ao sacrifício de aves aquáticas, porque considera que isso aumenta a propagação da gripe aviária e causa um maior estresse nos animais sobreviventes, com a conseqüente maior propensão a contrair infecções.A BirdLife acrescentou que qualquer tentativa de drenar as zonas úmidas, como cogitaram alguns governos asiáticos, também seria "contraproducente" para o meio ambiente, pois os pássaros buscariam alternativas e voariam mais longe, com rotas em piores condições e maiores chances de contrair a infecção.Para a organização, as medidas mais eficazes contra a gripe aviária "em nível mundial" são os controles que reduzem o contato entre aves domésticas e silvestres e até a proibição de importações de pássaros das zonas afetadas.A BirdLife manifestou, em um comunicado, sua oposição às "medidas radicais" adotadas contra a gripe aviária e que podem ameaçar muitas espécies de aves e atentar contra a biodiversidade. Segundo a organização, não há provas evidentes de que as aves migratórias tenham contribuído para o contágio da doença de um país para outro, embora esta possibilidade não possa ser excluída.Após se referir aos recentes surtos na Europa do vírus H5N1 - altamente patógeno - durante a migração de outono em zonas como o delta do Rio Danúbio, com grandes concentrações de aves aquáticas, a BirdLife ressaltou que sua propagação na Ásia é atribuível aos movimentos de aves de granja infectadas, e não a espécies silvestres.   leia mais sobre gripe aviária

Agencia Estado,

20 de outubro de 2005 | 15h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.