Sacrifício de aves selvagens não freia gripe, diz FAO

O sacrifício de aves selvagens não é eficiente para conter a disseminação da gripe aviária, alertou nesta terça-feira o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). Segundo a organização, a principal atenção deve estar voltada para o controle da doença entre aves de criação.O alerta foi feito após a notícia de que o Vietnã estava sacrificando aves selvagens na cidade de Ho Chi Minh por precaução contra a doença.?Isso (o sacrifício de aves selvagens) não deve ter nenhuma contribuição significativa para a proteção de humanos contra a gripe aviária?, disse Juan Lubroth, responsável da FAO por doenças animais.Segundo ele, há outras medidas mais importantes. ?Combater a doença nas aves de criação deve permanecer o principal foco de atenção?, disse. ?As espécies de pássaros selvagens encontradas nas cidades e em seus arredores são diferentes dos pássaros de áreas pantanosas que foram identificados como portadores do vírus da gripe aviária.?A agência havia alertado anteriormente que o subtipo mortal do vírus da gripe, H5N1, que já atingiu vários países asiáticos, pode ser transportado por aves aquáticas migratórias a longas distâncias até o Oriente Médio, a Europa, o sul da Ásia e a África, podendo gerar uma pandemia.Até agora, já foram identificados 132 casos humanos de gripe aviária em países asiáticos, 68 deles fatais. Acredita-se que todos os casos tiveram transmissão entre pássaros e humanos, mas a Organização Mundial da Saúde teme que o vírus possa sofrer uma mutação e passar a ser transmitido entre humanos.Segundo Lubroth, o controle do vírus entre as aves de criação é a maneira mais efetiva de evitar que o vírus H5N1 se transforme em um vírus capaz de ser transmitido entre humanos.   leia mais sobre gripe aviária

Agencia Estado,

29 de novembro de 2005 | 17h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.