Giuseppe Lami/EFE
Giuseppe Lami/EFE

Saiba como observar a superlua na noite desta segunda-feira

Fenômeno ocorre quando a Lua está cheia e próxima da Terra

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2021 | 17h43

Na noite desta segunda-feira, 26, a Lua atinge o ponto de maior aproximação com a Terra em um fenômeno chamado de perigeu. Quando isso acontece simultaneamente com a fase cheia do satélite, como nesta segunda, temos a superlua.

A superlua deste mês também está sendo chamada de superlua rosa — mas isso não significa que a Lua estará rosa. “Algumas culturas associam nomes e cores para se referir a cada Lua cheia de cada mês, mas ela não vai ficar rosa ou diferente do que ela já é”, explica Natália Palivanas, mestranda em astrofísica pela Universidade do Vale do Paraíba (Univap) e monitora no Observatório Dietrich Schiel (USP).

O perigeu e o apogeu (quando a Lua está mais afastada da Terra) ocorrem porque a órbita descrita pela Lua em torno do planeta é elíptica. Isso faz com que o satélite fique mais próximo ou afastado da Terra dependendo de onde ele esteja. Nem sempre isso acontece durante a fase cheia da Lua. Mas, quando ocorre a coincidência, temos uma superlua.

A maior proximidade da Lua com a Terra fará, sim, com que ela pareça estar 5% maior do que uma Lua cheia comum, mas essa diferença é muito pequena para ser percebida a olho nu. A mudança pode ser observada em fotografias e, principalmente, ao comparar a imagem do satélite desta noite com alguma imagem de semanas atrás.

Como olhar a superlua no Brasil

A superlua pode ser observada a partir da noite desta segunda-feira. O satélite nasce a leste e se põe a oeste, assim como o Sol. Se o tempo estiver nublado ou chuvoso, não se preocupe: o aspecto da Lua se manterá semelhante no dia seguinte.

Natália diz que não é necessário nenhum equipamento ou local especial para ver a superlua, mas recomenda que as luzes sejam apagadas. “Se possível, evite também o uso do celular ou de outras telas durante a observação. Quanto mais escuro estiver, mais detalhes o olho consegue identificar”, aconselha.

Tudo o que sabemos sobre:
Lua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.