Reprodução
Reprodução

Saiba evitar as doenças do inverno

Internações por doenças respiratórias aumentam entre 30% a 50% com o frio

Gheisa Lessa, estadao.com.br,

20 Junho 2012 | 06h00

 No frio as internações causadas pelas doenças respiratórias aumentam de 30% a 50% em todo o estado de São Paulo. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que as doenças respiratórias ocupam o terceiro lugar entre as causas de morte no mundo. O mestre em pneumologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o médico Alex Macedo, explicou ao Estadão.com.br que o hábito das pessoas é determinante no desenvolvimento de doenças típicas da estação.

"O excesso de trabalho, a má alimentação e a procura por ambientes fechados e lotados faz com que o contato com vírus e bactérias, presentes no ar, aumente as chances de contrair alguma doença," afirma Macedo.

Infecções respiratórias, infecções intestinais, meningite e pneumonia são, segundo o especialista, as doenças com maior ocorrência durante a estação. Como o inverno brasileiro é caracterizado por mudanças bruscas de temperatura e da umidade relativa do ar, a transmissão das doenças aumenta.

"Os principais sintomas que identificam as doenças respiratórias são febre, dores no corpo e tosse", detalha Macedo. "Além desse diagnóstico, quadros virais podem atingir a circulação sanguínea, chegar ao intestino e desencadear a diarreia infecciosa viral, também muito frequente nesta época do ano", diz o especialista.

As doenças típicas do inverno são mais preocupantes em crianças e em idosos em função da baixa hidratação no corpo. "Isso não quer dizer que os adultos e adolescentes não devam se precaver, porque a pneumonia é a primeira causa de internação no País e pode evoluir para o óbito", avisa.

De acordo com dados do Banco de dados do Sistema Único de Saúde (DATASUS), são estimados cerca de 2,1 milhões de casos de pneumonia no Brasil anualmente, sendo a principal causa de internação hospitalar, somando 900 mil pacientes todos os anos.

Para que esses casos sejam prevenidos, o especialista recomenda evitar aglomerações como shoppings e cinemas em horários de pico. Também é preciso manter o sistema de defesa do organismo em boa forma, através de boa alimentação e constante hidratação com água, sucos e vitaminas. Pelo menos uma refeição deve ter legumes, verduras e frutas, de preferência crus. "Quanto mais cru for o alimento, maior é a quantidade de minerais que o nosso organismo absorve", diz Macedo.

"Todos entramos em contato com vírus e bactérias no dia-a-dia, mas nem todos desenvolvem doenças porque o sistema imunológico atua. Por isso é importante mantê-lo muito bem fortalecido", ressalta.

Segundo a recomendação da Secretaria do Estado da Saúde, em casa ou no trabalho costuma-se sentir calor, mas sempre antes de sair desses ambientes deve-se agasalhar para evitar o choque de temperatura, que facilita a ocorrência de doenças. O excesso de poeira contribui para a piora de alergias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.