Santuários de baleias são derrotados pelo Japão

As duas propostas de criação de santuários de baleias, apresentadas ontem na reunião da Comissão Internacional de Baleias (CIB), em Berlim, obtiveram a maioria dos votos a favor, mas não foram aprovadas, por que não alcançaram os ¾ dos votos necessários (maioria qualificada). A proposta do Brasil e da Argentina, de criar o Santuário de Baleias do Atlântico Sul, obteve 24 votos a favor e 19 contra, com três abstenções. A proposta da Austrália e da Nova Zelândia, de criar o Santuário de Baleias do Pacífico Sul, terminou com um apenas um voto contra a menos, o da Mongólia, cujo delegado foi almoçar na hora da votação."O medo da perda do apoio econômico japonês falou mais alto", lamentou José Truda Palazzo, da delegação brasileira, resumindo a decepção dos conservacionistas com a votação, marcada pelo posicionamento de países caribenhos e africanos, em favor do Japão, em retribuição aos investimentos realizados em sua indústria pesqueira. ?Está na hora das Nações Unidas investigarem essa ?diplomacia do cheque?, que representa séria ameaça à governança global em meio ambiente", declarou à imprensa o presidente da Coalizão Internacional da Vida Silvestre nos Estados Unidos, Daniel J. Morast. Segundo ele, o problema da compra de votos pelo Japão está se estendendo a outros tratados e ameaçando a conservação de várias espécies ameaçadas de flora e fauna. O presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e chefe da delegação brasileira, Marcus Barros, afirmou que insistirá na proposta do Santuário do Atlântico Sul e pretende reapresentá-la nas próximas reuniões da CIB. "Estamos convencidos da seriedade da proposta e de que ela é essencial para proteger nossa região da volta da matança desenfreada de baleias", comentou. Votaram a favor a África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Índia, Itália, México, Mônaco, Nova Zelândia, Omã, Peru, Portugal, Reino Unido, San Marino, Suécia e Suíça. Foram contra Antígua & Barbuda, Benin, China, Coréia do Sul, Dinamarca, Dominica, Granada, Guiné, Ilhas Salomão, Islândia, Japão, Mongólia, Nicarágua, Noruega, Palau, Panamá, Rússia, São Kitts & Nevis e Santa Lucia. Preferiram se abster a Irlanda, Marrocos e São Vicente & Granadinas. Na última hora, o Gabão abandonou o chamado ?bloco do yen?, comprometendo-se em apoiar o santuário, mas não pode votar, por não estar com suas contribuições à CIB em dia.O Japão sofreu uma derrota, no entanto, com a rejeição de sua proposta de reabrir a caça comercial no Santuário de Baleias da Antártica, criado em 1994. Navios-indústria japoneses invadem a área de proteção, todos os anos, sob o pretexto de praticar a chamada ?caça científica?, mas vem sofrendo pressões crescentes de outros países e enfrentam protestos de ambientalistas. A proposta japonesa foi rejeitada por 26 votos contra 17.

Agencia Estado,

18 de junho de 2003 | 11h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.