São Paulo recebe rede pública de cordão umbilical

O Estado de São Paulo conta a partir de agora com um banco público de sangue de cordão umbilical. Com o nome de Redecord, ele foi criado por meio da parceria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da única instituição particular a fazer parte da rede, o Hospital Albert Einstein.?A idéia é em cinco anos termos 12 mil amostras de sangue?, diz Carlos Alberto Morera Filho, diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa do Albert Einstein.O número é prova de que a rede paulista será a principal afiliada da rede federal de cordão umbilical, a Brasilcord, cuja criação foi anunciada junto com o Redecord. O principal objetivo de um banco público é oferecer gratuitamente uma alternativa para a cura de leucemia.De acordo com o Ministério da Saúde, a cada ano cerca de 7.500 brasileiros recebam diagnóstico do câncer na medula óssea, sendo que para a metade deles a solução de cura é o transplante. Um cordão umbilical é rico em células-tronco, as quais têm capacidade de se transformar em células de vários tecidos do corpo humano.A compatibilidade do receptor com o doador de medula tem ser 100% para que a operação dê certo. Com o cordão umbilical, bastam 70%.?A coleta de uma célula-tronco é muito mais prática e rápida que a da medula?, diz Saad Ellovitc, diretora do Cryopraxis, o maior e mais antigo banco de coleta de cordão umbilical privado do País.Em São Paulo, a Cryopraxis mantém convênio com as maternidades Santa Joana, Pró-Matre e São Luiz. Lá, a coleta do sangue do cordão umbilical custa R$ 3.950 e mais R$ 500 de anuidade, para o resto da vida.A diferença em relação ao banco público é que no privado o cordão umbilical do bebê fica reservado exclusivamente para ele. Os privados defendem a idéia de que a vantagem de se ter um cordão à disposição é que o paciente não precisa procurar por um compatível para ele.   leia mais sobre células-troncoNota do editor: O conteúdo desta matéria foi alterado em 27/09/04. As informações fornecidas pela Agência Brasil foram substituídas por dados coletados pela Agência Estado.

Agencia Estado,

25 de setembro de 2004 | 02h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.