São Paulo vai propor criação de dois Sítios Ramsar

O secretário estadual do Meio Ambiente, José Goldemberg, enviará ao Governo Federal um pedido para que o País solicite o cadastramento da Baixada Santista e do Complexo Estuarino de Iguape e Cananéia (Lagamar) como Sítios Ramsar, uma convenção das Nações Unidas sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, assinada no Irã, em 1971. Com isso, as duas regiões poderão ser cadastradas no Registro de Montreux, uma lista das zonas úmidas de importância internacional onde ocorreram, estão ocorrendo ou podem vir a ocorrer alterações das características ecológicas, em conseqüência de interferências humanas.Segundo a bióloga Yara Schaeffer-Novelli, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP), os Sítios Ramsar incluídos no Registro Montreux são aqueles que requerem atenção especial, por meio de ações, em nível nacional e, se necessário, com a cooperação de parcerias internacionais. Uma vez resolvidos os problemas ambientais, a área pode sair da lista. A pesquisadora, que levou a idéia ao secretário, é uma das representantes regionais das Américas da Convenção Ramsar.?Essa iniciativa viria a consolidar determinação do governo brasileiro na adoção de medidas efetivas para conservar ou reabilitar as zonas úmidas, reconhecendo-as como recurso econômico, cultural, científico e recreativo?, diz a bióloga. Além disso, ressalta que são áreas de muita importância para a regularização dos regimes de água e como habitat de flora e fauna características, que precisam de políticas nacionais conjuntas de longo alcance e de ações internacionais coordenadas para serem conservadas.?Apoiamos a iniciativa e nos comprometemos a encaminhar o processo ao Governo Federal - que tem a competência legal de solicitar a inclusão de áreas do país no cadastro -, assim que a documentação preparada pela professora Yara estiver pronta?, disse Goldemberg. O material, com mapeamento, levantamento de atributos ambientais, fauna, flora, perímetros etc., deverá ser entregue até meados de junho, segundo Carlos Bocuhy, do Coletivo de Entidades do Conselho Estadual do Meio Ambiente, co-signatário da solicitação formal.A inclusão da Baixada Santista seria muito importante, na opinião de Bocuhy, para forçar o governo a investir na recuperação do Estuário de Santos. ?Talvez esse seja o único receio do Itamaraty em aceitar a proposta, pois qualquer agressão a essas áreas seria motivo de grande repercussão internacional?, disse. Conforme o ambientalista, o Brasil ainda não possui nenhum Sítio Ramsar. Além da proposta de São Paulo, há uma solicitação tramitando para a inclusão na lista do Pantanal no Mato Grosso do Sul.

Agencia Estado,

21 de março de 2002 | 12h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.