Sapos ´explosivos´ são alvo de corvos, diz veterinário

Biólogos alemães ainda tentam descobrir por que centenas de sapos estão "explodindo" na região de Hamburgo e na vizinha área fronteiriça da Dinamarca, mas um veterinário acredita ter a pista principal para solucionar o enigma: os corvos.A tese de Frank Mutschmann é a de que os sapos não estão "explodindo" espontaneamente, como parece, mas sendo perfurados por corvos que extraem seus fígados.Segundo o veterinário de Berlim, os sapos inflam o corpo normalmente como forma de defesa - parecendo maiores diante de um predador - e, tendo o couro aberto por um corvo, dão a impressão de explodir, já que suas vísceras são pressionadas para fora da cavidade abdominal.A tese é contestada. "Não vimos nada disso. Pode ser como pode não ser", disse Janne Kloepper, do Instituto de Higiene e Ambiente de Hamburgo, sobre eventuais ataques de corvos sobre os sapos na lagoa da localidade.Ali, pelo menos mil sapos foram encontrados nas mesmas condições: agonizantes ou mortos. Alguns funcionários do município relatam ter visto sapos desorientados, tremendo e, em seguida, "explodindo"."É horrível. Os sapos explodem e as entranhas ficam expostas, mas o animal não morre imediatamente, fica agonizando por vários minutos", disse a bióloga Heidi Mayerhoefer ao jornal Hamburger Morgenpost.Segundo o veterinário Mutschmann, os sapos vistos nestas condições já teriam sido atacados pelos corvos e "explodiriam" por causa da combinação do reflexo de inflar quando sob perigo e o fato estar com o corpo perfurado, sem o fígado. "Os corvos são muito espertos e aprendem rápido uns com os outros", disse.As vísceras dos sapos ainda estão sendo analisadas. As outras possíveis causas, segundo os pesquisadores, são a contaminação por vírus, fungos ou bactérias. Mas há também quem suponha que os sapos estejam se suicidando, por conta de uma superpopulação na região.

Agencia Estado,

28 de abril de 2005 | 17h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.