Sars é transmitida por morcegos, indica pesquisa

A Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), doença que desde que foi identificada, em meados de novembro de 2002, na China, causou centenas de mortes, é transmitida por morcegos. "Os morcegos são portadores de um grande número de vírus mas poucas vezes mostram sinais de infecção", disse em comunicado divulgado nesta sexta-feira Linfa Wang, cientista que liderou uma equipe de pesquisadores que fizeram a descoberta.Wang relatou que com base no fato de os morcegos serem vendidos nos mercados asiáticos para o consumo humano, sua equipe realizou experiências em mais de 400 morcegos de quatro regiões da China.A equipe analisou sangue, excrementos e mostras respiratórias dos morcegos e concluiu que mais de 70% dos animais estudados tinham anticorpos do coronavírus (cada um de um grupo de vírus que pode causar infecções) no sangue.O próximo passo, acrescentou Hume Field, cientista do departamento de Indústrias Primárias do Estado australiano de Queensland, será descobrir como o vírus passou dos morcegos para outros animais e para os humanos.As conclusões do estudo, que permitiu descartar que a civeta, um mamífero asiático, fosse o portador do coronavírus, foram publicadas na revista científica Science.Wang trabalhou junto a especialistas chineses e dos EUA que juntaram esforços com cientistas do laboratório de Saúde Animal para Indústrias Criadoras de gado, pertencente à Organização Australiana para a Pesquisa Científica e Tecnológica.

Agencia Estado,

30 de setembro de 2005 | 04h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.