Satélite espião dos EUA perde controle e cairá na Terra

A maior reentrada descontrolada de um aparelho espacial americano foi a do Skylab, de 78 toneladas

Associated Press,

26 de janeiro de 2008 | 19h36

Um grande satélite de espionagem dos Estados Unidos perdeu energia e propulsão e poderá colidir com a Terra entre fevereiro e março, informam fontes do governo americano.   O satélite, que está fora de controle, pode conter material perigoso e não se sabe em que parte do planeta cairá. As autoridades falaram sob a condição de que seus nomes não fossem revelados. "As agências apropriadas estão monitorando a situação", limitou-se a afirmar um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Gordon Johndroe. "Diverso satélites caíram sem causar danos ao longo dos anos. Estamos buscando opções para mitigar qualquer possível dano que o satélite venha a causar".   Ele não comentou a possibilidade de o satélite ser desviado por um míssil. Disse que seria inadequado discutir detalhes no momento.   Um alto funcionário do governo afirmou que congressistas e governos estrangeiros estão sendo informados da situação.   A reentrada descontrolada poderia expor segredos dos Estados Unidos, disse John Pike, um especialista em defesa e espionagem. Satélites de espionagem normalmente são eliminados por meio de reentradas controladas na atmosfera que os dirigem ao oceano, para que mais ninguém tenha acesso ao equipamento, disse ele.   Pike, que dirige o grupo de pesquisas em defesa GlobalSecurity.org, estima que o equipamento pese 10 toneladas e seja do tamanho de um microônibus. Ele afirma que o satélite criaria apenas 10% dos destroços gerados pela desintegração do ônibus espacial Columbia, em 2003.   Quanto ao material perigoso na nave, Pike acredita que ela possa conter berílio, um metal leve e com alto ponto de fusão, usado na indústria de defesa. A inalação do berílio pode levar a problemas respiratórios de natureza crônica e incurável.   Segundo Jeffrey Richelson, membro do Arquivo de Segurança Nacional, o satélite provavelmente foi criado para fazer reconhecimento fotográfico. Esse tipo de aparelho é usado para fotografar governos hostis e grupos terroristas, detectando a construção de instalações nucleares ou campos de treinamento de extremistas. Também pode ser usado para monitorar o dano causado por desastres naturais, como furacões e terremotos.   A maior reentrada descontrolada de um aparelho espacial americano foi a do Skylab, uma estação espacial de 78 toneladas que caiu de órbita em 1979. Seus destroços caíram, sem causar danos, numa parte remota da Austrália.   Em 2000, engenheiros das Nasa conseguiram guiar a queda do Observatório Compton de Raios Gama, dirigindo-o para o Oceano Pacífico.   Autoridades acreditam que, em 2002, os restos de um satélite de 3 toneladas caíram como "chuva" sobre o Golfo Pérsico.   Ampliada às 21h53

Tudo o que sabemos sobre:
espaçosatéliteespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.