Satélite Giove-A entra em sua órbita definitiva

O satélite Giove-A, primeira etapa do sistema europeu de localização e navegação por satélite Galileu, entrou em sua órbita definitiva nesta quarta-feira, pouco menos de quatro horas depois de seu lançamento da base russa de Baikonur.O satélite se separou do módulo propulsor russo que o transportava às 9h01 GMT (7h01 de Brasília) e entrou em sua órbita definitiva. Segundo um porta-voz da Agência Espacial Européia (ESA), o Giove-A enviou seu primeiro sinal, indicando "que está vivo e no lugar preciso".Por volta das 13h00 de Brasília, a ESA confirmou que o satélite desdobrou corretamente seus painéis solares e os instrumentos de emissão de dados funcionaram corretamente. Pela manhã, o satélite confirmou o funcionamento de seus sistemas de recarga de baterias e fez diversas provas dinâmicas.O Giove-A foi lançado por um foguete russo Soyuz às 3h19 de Brasília da base de Baikonur, no Cazaquistão, e alcançou sua órbita a 23 mil quilômetros da Terra. Sua missão é servir de teste para a rede de 30 satélites que configurarão o sistema de navegação Galileu, a alternativa européia para o atual GPS americano.O Giove-A, de fabricação britânica e com um peso um pouco superior aos 600 quilos, ocupará as órbitas atribuídas à ESA pela União Internacional de Telecomunicações. Além disso, o satélite testará as condições que existem em uma órbita média, por volta dos 23 mil quilômetros, um lugar em que a ESA não tinha enviado nenhum aparelho até agora.Em 2008 a ESA deve ter instalado os quatro primeiros satélites operacionais do Galileu, o número mínimo para que o sistema possa entrar em funcionamento. Naquele ano poderá começar a comercializar seus serviços na Europa, à espera de que o envio dos 26 satélites restantes permita cobrir a totalidade da Terra, incluindo as zonas de sombra que o GPS tem atualmente.Nota do Editor: Este texto foi alterado às 13h50, com a atualização de informações

Agencia Estado,

28 de dezembro de 2005 | 13h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.