Satélite mostra destruição de geleira na Groenlândia

Um enorme pedaço de 29 km² da geleira de Petermann, no norte da Groenlândia, se separou

da Redação, estadao.com.br

21 de agosto de 2008 | 18h33

Pesquisadores que diariamente monitoram imagens de satélite de geleiras da Groenlândia descobriram rachaduras em duas das maiores massas de gelo no mês passado.   Foto: Divulgação   Eles esperam que parte da maior geleira flutuante do hemisfério norte continue a se desintegrar no próximo ano.   Um enorme pedaço de 29 km² da geleira de Petermann, no norte da Groenlândia, se separou entre 10 e 24 de julho. A perda para a geleira é igual a metade da área da ilha de Manhattan. A última grande perda da Petermann ocorreu quando ela perdeu 86 km² de gelo flutuante entre 2000 e 2001.   Petermann tem uma área de gelo flutuante de 16 por 81 quilômetros, que cobre uma área de 1.295 km².   O que mais preocupa Jason Box, professor da Universidade Ohio State, e seus colegas, Russell Benson e David Decker, quanto às últimas imagens é o que parece ser uma grande rachadura longe da margem da geleira.   A rachadura pode sinalizar uma quebra iminente e muito maior.   "Se a Petermann quebrar no alto, a perda seria de cerca de 160 km²", disse Box, representando a perda de um terço de sua massa de gelo.   Enquanto isso, a geleira Jakobshavn, que sofreu uma perda nas últimas semanas de 10 km², tem recuado muito mais que em qualquer outra ocorrência nos 150 anos que está sendo observada. Pesquisadores acreditam que ela não tenha recuado tanto de 4 mil a 6 mil anos.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento globalGroenlândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.