Satélite sino-brasileiro CBERS-2 deixa de operar, informa o Inpe

O CBERS-2 havia sido lançado em 2003, com vida útil prevista de 2 anos; o CBERS-2B está em órbita desde 2007

da Redação,

28 de janeiro de 2009 | 19h33

O satélite sino-brasileiro CBERS-2 deixou de operar no último dia 15 de janeiro, fato anunciado nesta quarta-feira, 28, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Quando lançado do Centro de Taiyuan, na China, em 21 de outubro de 2003, o satélite  tinha vida útil projetada de dois anos.   Segundo nota do Inpe,  em mais de cinco anos o CBERS-2 "superou todas as expectativas ao produzir mais de 175 mil imagens que serviram para monitorar o meio ambiente, avaliar desmatamentos, áreas agrícolas e o desenvolvimento urbano".   O Brasil ainda conta com outro satélite do programa de cooperação com a China, o CBERS-2B, lançado em setembro de 2007. O Inpe informa, ainda, que estão programados os lançamentos de mais dois satélites de observação da Terra, em 2011 e 2014. E já se discute com a China o desenvolvimento de outros dois.   Os últimos sinais do CBERS foram detectados em 15 de janeiro pelos técnicos brasileiros e chineses. Os dias seguintes foram dedicados a tentar restabelecer a comunicação com o satélite. Como não foi possível, decretou-se encerrada a missão do CBERS-2.   O programa CBERS fez do Brasil o maior distribuidor de imagens de satélite do mundo. Além dos usuários brasileiros, as imagens CBERS são fornecidas gratuitamente para todo e qualquer usuário. O download gratuito das imagens é feito a partir do site www.obt.inpe.br/catalogo

Tudo o que sabemos sobre:
cbers-2inpechinasatélite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.