SC monitora formação de ventos e ondas no Atlântico

Depois de conhecer o arrasador Catarina e prestes a receber um ciclone extratropical, neste fim de semana, a população costeira catarinense pode agora contar com informações mais precisas sobre a formação de ventos e ondas no Atlântico.Pesquisadores do Laboratório de Hidráulica Marítima (LaHiMar) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) acabam de iniciar a segunda fase de operação de um equipamento chamado ondógrafo, instalado a 35 km da Praia da Armação, na costa leste da Ilha de Florianópolis.É o primeiro equipamento do gênero em funcionamento no Brasil. O ondógrafo registrará durante 24 horas as condições do mar, processando-as num computador embutido, para depois transmiti-las via rádio à base receptora no Laboratório de Peixes de Água Doce (Lapad) da UFSC, na Lagoa do Peri. Em seguida, os dados serão organizados e disponibilizados na internet (www.lahimar.ufsc.br).O conjunto é capaz de prever a geração de ondas na forma de gráficos, com dados como altura significativa, períodos de pico e velocidade do vento, segundo a Agência Fapesp. Conta ainda com um sensor de temperatura da água e um sistema de posicionamento GPS para monitorar o seu deslocamento no mar.Previsões e pesquisaO ondógrafo direcional Datawell Waverider Mark II é uma esfera de aço inox com 220 quilos e 1 metro de diâmetro, que fica a uma profundidade de 80 metros. Sua principal função é medir a altura das marés. Na superfície, a bóia sustenta também acelerômetros que percebem as oscilações da superfície do mar naquela parte do litoral brasileiro.A instalação do conjunto faz parte do Programa de Informação Costeira On-line (PIC). ?O projeto tem uma vertente científica e outra de cunho social?, disse Eloi Melo, professor do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC e supervisor do LaHiMar. ?Os dados coletados serão úteis para o planejamento de obras de engenharia a serem realizadas em toda a costa catarinense e, ao mesmo tempo, o estudo oceanográfico servirá para a prestação de serviços públicos à comunidade costeira local que se beneficia diretamente do mar.?Ciclone em formaçãoO sistema provavelmente não coletará informações a tempo de registrar a formação de mais um ciclone extra-tropical em alto-mar, na altura da costa do Rio Grande do Sul. A partir desta sexta-feira, o vento sul aumenta de intensidade, entre 16 e 36 km/h, com rajadas de até 60 km/h no litoral gaúcho e de Santa Catarina.O mar no Sul vai ficar agitado, com ondas qua devem atingir 2 metros na costa e de 4 metros em mar aberto. No fim de semana, a ressaca atinge o litoral do Paraná, de São Paulo e do Rio, com ondas de até 2 metros.Esse sistema também vai jogar muita umidade sobre o leste, sul e nordeste gaúchos e catarinenses até o domingo. O choque dessa umidade com o ar frio polar que chega à região forma nuvens sobre as serras gaúcha e catarinense e pode nevar nessas regiões no sábado.A chegada desse ar polar vai causar queda brusca de temperatura nas madrugadas de domingo e de segunda-feira e há previsão de geadas no Sul e em Mato Grosso do Sul. Em São Paulo, a frente fria deixa o tempo instável, com aberturas de sol à tarde. O céu deve ficar nublado no domingo, com temperatura oscilando entre 13 e 19 graus na capital, segundo a Climatempo.

Agencia Estado,

14 de maio de 2004 | 11h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.