Seca impede fiscalização e peixes-boi morrem na Amazônia

Pelo menos cem peixes-boi morreram na vazante dos rios do Amazonas neste ano, segundo a expedição "Salve o Peixe-Boi da Amazônia", promovida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). De acordo com a assessoria do Ibama, o barco da expedição não conseguiu ter acesso aos principais locais de onde partiam as denúncias devido à seca dos rios e nenhum flagrante foi verificado.Mas durante o trabalho educativo junto às comunidades, os próprios ribeirinhos entrevistados acabam servindo de fonte para ajudar a contabilizar o número de animais mortos nessa temporada.O principal objetivo da expedição é conscientizar as comunidades para a importância da preservação do peixe-boi. Durante esta segunda etapa, segundo a assessoria, foram realizadas 69 palestras em 16 escolas de cinco municípios e 10 comunidades, atingindo diretamente 7.478 pessoas e indiretamente mais de 13 mil.No retorno a Manaus, na segunda-feira, a equipe do Ibama resgatou um filhote de peixe-boi, de apenas cinco meses, que estava sendo mantido irregularmente em um viveiro em Coari, a 370 quilômetros de Manaus. O animal é uma fêmea e estava extremamente desnutrida, não pesando mais de 10 kg.De acordo com a assessoria, o pescador que a mantinha no viveiro não lhe dava comida ou leite, necessário até os dois anos de vida, e ela logo morreria de fome.O filhote foi trazido para Manaus em uma piscina no barco do Ibama e levado para o Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde existe um projeto para a preservação do animal. Durante a viagem ela recebeucuidados especiais e muito leite para se restabelecer.A próxima etapa da expedição "Salve o Peixe-Boi da Amazônia" parte dia 25 de outubro e vai percorrer as comunidades do baixo rio Amazonas até o município de Juriti, no Pará.

Agencia Estado,

11 de outubro de 2005 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.