Segundo nova teoria, surgimento dos Andes foi abrupto

Afirmação vai de encontro à teoria que diz que a cordilheira nasceu ao longo de milhões de anos

Efe

05 de junho de 2008 | 15h20

A Cordilheira dos Andes, que vai do sul do Chile até a Venezuela, nasceu de forma abrupta entre dez e seis milhões de anos atrás, revela um estudo divulgado nesta quinta-feira, 5, pela revista Science. A afirmação, feita por geólogos da Universidade de Rochester, em Nova York, vai de encontro à teoria que diz que a Cordilheira dos Andes nasceu de forma progressiva e ao longo de milhões de anos. Segundo essa teoria mais antiga, os cientistas acreditavam que a cordilheira dos Andes havia nascido há 40 milhões de anos. No entanto, segundo Carmala Garzione, professora auxiliar de geologia em Rochester, agora será necessário modificar a teoria e incluir nela um processo que diz que em vez de sofrer erosão lentamente, a raiz de uma montanha se desprende e cai no candente manto do interior do planeta. Segundo a teoria, livre desse peso, a montanha se ergue, e no caso dos Andes, esse levantamento foi de cerca de quatro mil metros em menos de quatro milhões de anos. As novas técnicas aplicadas pelos cientistas consiste principalmente em determinar a alteração da composição química de uma cadeia montanhosa devido às precipitações pluviais e de neve. Mediante a análise das conchas sedimentarias dos Andes, o grupo cientista pôde determinar quando e a que altura esses sedimentos foram depositados. Esse registro das mudanças de altitude mostra que os Andes se elevaram de maneira progressiva durante dezenas de milhões de anos e depois, repentinamente, o maciço montanhoso sofreu um brusco salto geológico entre seis e dez milhões de anos atrás. A teoria do nascimento abrupto dos Andes, a segunda cadeia montanhosa do mundo depois do Himalaya, é confirmada por Gregory Hoke em um relatório que será publicado este mês na revista Earth and Planetary Science Letters.

Tudo o que sabemos sobre:
Andesciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.