Universidad de Chongqing/AFP
Universidad de Chongqing/AFP

Semente de algodão é a primeira planta a brotar na Lua, anuncia China

Broto foi germinado dentro de recipiente de vidro durante missão não tripulada na face oculta lunar; experimento é o primeiro de crescimento biológico no satélite natural

Redação, AFP e EFE

15 Janeiro 2019 | 17h59

PEQUIM - Um pequeno broto verde está crescendo na Lua pela primeira vez na história. Segundo cientistas informaram nesta terça-feira, 15, uma semente de algodão havia sido germinada dentro de uma nave chinesa que está na face oculta do satélite natural desde 3 de janeiro. "Essa é a primeira vez que humanos realizam um experimento de crescimento biológico na superfície lunar", declarou Xie Gengxin, do Instituto de Investigação de Tecnologia Avançada da Universidade Chongqing, que liderou o experimento. A atividade integra a missão Chang'e-4, que não é tripulada, a primeira do tipo a chegar à face oculta da Lua

O broto germinou em um recipiente de vidro de 18 centímetros, com ar, água e terra, e pode manter temperaturas entre 1ºC e 30ºC. Além de algodão, também foram levadas sementes de batata, ovos de mosca e levedura. As temperaturas na Lua podem variar entre -100ºC e  100ºC, além de o satélite receber uma maior radiação solar e ter menos gravidade que a Terra.  

A Chang'e-4 também deve fazer experimentos conjuntos, com instrumentos da Alemanha e da Suécia, sobre radiação cósmica e os efeitos do vento solar. Além disso, transportou um explorador robótico móvel (chamado de Yutu-2), que irá explorar a cratera Von Karman. 

A agência espacial chinesa planeja ainda outra missões não tripuladas à Lua, incluindo o envio de uma sonda neste ano para buscar amostras. A China planeja estabelecer uma base de investigação lunar, que possivelmente seria construída com tecnologia de impressão 3D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.