Seqüenciado DNA da bactéria que causa acne

O seqüenciamento completo do DNA da Propionibacterium Acnes, a bactéria mais comum na pele humana, abre um novo caminho para o tratamento da acne. A doença, que afeta pelo menos 80% dos adolescentes no mundo inteiro, é causada pela interação da bactéria com a oleosidade excessiva da pele e o sistema imunológico.Os cientistas descobriram que a P. acnes tem 2.333 genes e identificaram alguns ligados à capacidade de atacar e destruir componentes na pele, que podem estar envolvidos na inflamação típica da acne. Normalmente, a bactéria habita a pele sem provocar dano algum nas glândulas que secretam óleo em folículos capilares."O seqüenciamento completo dá os pré-requisitos essenciais para se desenvolverem tratamentos alternativos. Uma abordagem promissora é reduzir a capacidade da bactéria de se multiplicar na pele humana", afirma Holger Bruggemann, do Instituto Pasteur (França), principal autor do artigo publicado nesta sexta-feira na Science.Atualmente, o tratamento para a acne tem consideráveis efeitos colaterais. "É feito por um antibiótico que perturba toda a flora da pele e não somente a P. Acnes", escreve Bruggemann.Bloqueio de enzimasOutra abordagem possível com os dados do seqüenciamento, segundo a dermatologista Ediléia Bragantin, do Departamento de Dermatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é bloquear enzimas da bactéria."Há muitos tratamentos na medicina que funcionam assim, como o para calvície. Agora isso pode ser feito também com a acne."Segundo Ediléia, também torna possível entender casos individuais de acne, permitindo que se estude a interação entre a bactéria e o sistema imunológico de uma pessoa.Mas esses novos tratamentos, explica Bruggemann, ainda devem demorar um pouco. "Diria que eles estarão disponíveis no médio prazo." Há empresas, como a americana Corixa (www.corixa.com), em busca de uma vacina para diminuir o crescimento e/ou efeito inflamatório da P. Acnes, mas ela ainda está em fase preliminar de estudos.

Agencia Estado,

30 de julho de 2004 | 11h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.