Serra do Japi enfrenta fogo há mais de 24 horas

A reserva florestal da Serra do Japi queima há mais de 24 horas. O fogo, que teve início na Fazenda Guaxinduva, em Cabreúva, seguia ontem na direção de Jundiaí. De acordo com a Guarda Florestal, há duas grandes preocupações: de que o fogo atinja a área tombada de Jundiaí e de que se aproxime de torres de alta tensão. Se isso ocorrer, São Paulo corre risco de blecaute. Foram queimados 12 alqueires de mata nativa. A origem pode ter sido um trabalho de macumba, com velas queimadas. Homens da Guarda Municipal, da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros de Jundiaí, Cabreúva e Itu trabalham com 30 voluntários no combate ao fogo. Em São Paulo, focos isolados de incêndio atingiram o Parque do Carmo, na zona leste. O fogo começou às 12h15 e até a noite não havia sido controlado. Treze carros do Corpo de Bombeiros foram para o parque, de 1,5 milhão de metros quadrados. As causas são desconhecidas. Pouco depois, o fogo destriu dez barracos na Favela Paraisópolis, na zona sul. Foi o segundo incêndio do dia numa favela - logo cedo foi controlado fogo no Jardim Peri, na zona norte. O número de incêndios florestais em Minas cresceu 250% este mês, em comparação com igual período do ano passado, segundo dados fornecidos ontem pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). Para o instituto, a combinação de baixa umidade e temperaturas elevadas é a responsável pelo aumento.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2002 | 08h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.