Simulação mostra que precursores da vida podem surgir em lua de Saturno

Nitrogênio se associa rapidamente ao material orgânico na presença de luz ultravioleta

estadao.com.br

29 Junho 2010 | 18h46

Nitrogênio cintila em azul ao ser banhado com luz ultravioleta em experimento. Divulgação

 

Uma equipe da Universidade do Arizona afirma ter obtido a primeira prova experimental mostrando como nitrogênio atmosférico pode ser incorporado em macromoléculas orgânicas. A descoberta indica os tipos de moléculas orgânicas complexas que poderiam ser encontradas em Titã, uma lua de Saturno que, acreditam cientistas, pode ser um modelo para a química pré-biótica da Terra.

 

Cientistas identificam molécula orgânica complexa no espaço

 

A Terra e Titã são os únicos corpos rochosos do Sistema Solar dotados de atmosferas densas e onde predomina o nitrogênio, disse o bioquímico Hiroshi Imanaka, que tomou parte no estudo. A forma como nitrogênio foi incorporado às moléculas orgânicas em ambientes como a Terra primitiva ainda é um mistério, afirma ele.

 

"Titã é muito interessante porque sua atmosfera dominada por nitrogênio e sua química orgânica podem nos dar uma pista para a origem da vida na Terra", disse Imanaka. "Nitrogênio é essencial para a vida".

 

No entanto, não é qualquer tipo de nitrogênio que serve. O nitrogênio molecular, altamente estável, precisa ser convertido em uma forma mais quimicamente ativa para formar a base dos sistemas biológicos.

Imanaka e o colega Mark Smith converteram uma mistura de nitrogênio e metano semelhante à atmosfera de Titã em uma coleção de moléculas orgânicas nitrogenadas, ao irradiar o gás com raios ultravioleta de alta energia. O esquema laboratorial foi armado para simular os efeitos da radiação solar  na atmosfera de Titã.

 

A maior parte do nitrogênio deslocou-se diretamente para compostos sólidos, e não gasosos, disse Smith. Modelos teóricos previam que a transição entre gás e sólidos deveria ocorrer com etapas intermediárias.

 

Titã parece alaranjado porque uma neblina de moléculas orgânicas recobre o planeta. As partículas na neblina cedo ou tarde se acomodam na superfície, onde podem se ver expostas a condições favoráveis para a vida, disse Imanaka.

 

No entanto, cientistas não sabem se as partículas da neblina contêm nitrogênio. Se algumas das partículas presentes em Titã forem do mesmo tipo das moléculas nitrogenadas criadas no experimento, as condições favoráveis à vida na lua serão maiores, disse Smith.

 

O trabalho dos pesquisadores será publicado na edição online do periódico  Proceedings of the National Academy of Sciences.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.