Sínodo reitera 'opção pelos pobres', afirma bispo chileno

Os bispos assinalaram que a Bíblia representa incessantemente o grito de dor que sobe da terra rumo ao céu

24 de outubro de 2008 | 18h33

O Sínodo de Bispos  reiterou a "opção preferencial pelos pobres" da Igreja, assegurou o bispo auxiliar de Valparaíso (Chile), Santiago Silva Retamales, vice-presidente da comissão encarregada de preparar a "Mensagem" final da assembléia de bispos realizada no Vaticano.   A opção preferencial pelos pobres, precisou o prelado chileno em entrevista coletiva, ficou consolidada nessa mensagem, que afirma que o cristão tem a missão de anunciar a Palavra divina de esperança e compartilhá-la "com os pobres e os que sofrem mediante o testemunho de sua fé no Reino de verdade e vida, de santidade e graça, justiça, amor e paz".   A "Mensagem" assinala que quem caminha pelas ruas do mundo descobre também os lugares "onde há sofrimento e pobreza, humilhação e opressões, marginalização e misérias, doenças físicas, psíquicas e solidões".   "Freqüentemente, as pedras das ruas estão ensangüentadas por guerras e violências, nos centros de poder a corrupção reúne-se com a injustiça e se levanta o grito dos perseguidos pela fidelidade a sua consciência e sua fé", escreveram os bispos.   Os bispos assinalaram que a Bíblia representa incessantemente o grito de dor que sobe da terra rumo ao céu e que basta ler algumas de suas páginas para ver as "vigorosas denúncias" contra as injustiças sociais.   Silva Retamales precisou que a Palavra (divina) há de sair ao encontro do mundo, para levar a mensagem "onde exista pobreza, miséria e injustiças".

Tudo o que sabemos sobre:
vaticanosínodopobres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.