Sistema integrado de gestão gera cooperação internacional

O sistema integrado de gestão de hidrovias, proposto por pesquisadores paulistas, não interessa apenas a São Paulo. Uma série de negociações, envolvendo usuários e pesquisadores do setor, está em curso desde setembro último, quando foi realizado o 3º Seminário de Transporte Hidroviário Interior, em Corumbá, no Mato Grosso do Sul. Organizado pela Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (Sobena), o evento mobilizou latino americanos, europeus e chineses, com os quais vem sendo estudados acordos de cooperação.?O grande objetivo é aglutinar a comunidade técnica internacional, preocupada com a gestão integrada de recursos hídricos?, conta Cláudio Sampaio, vice-presidente da Sobena. Ele acredita que as hidrovias permitem a interiorização do desenvolvimento sustentável, até aqui muito voltado para a zona costeira, onde está a maior parte da população brasileira. ?E também são vias de integração latino americana, pois não é só o Brasil que tem um interior a ser explorado?.Os participantes da reunião de Corumbá produziram um documento de compromisso, que agora norteia a cooperação em estudo, voltada para a transferência de tecnologias e educação ambiental. Na declaração conjunta, eles manifestaram a ?firme intenção de promover, por idéias, conceitos e ações, a integração dos países sul-americanos através do fortalecimento do setor hidroviário e apoiar as práticas de planejamento integrado e desenvolvimento sustentável, a partir do uso responsável dos recursos hídricos para fins de navegação e demais usos da água?. Também se comprometeram em ?promover e compartilhar o conhecimento relativo às hidrovias com os diversos setores da sociedade, no continente sul-americano e reivindicar uma postura político-administrativo pró-ativa dos governos de cada país, para a solução dos entraves e impasses que afetam as contribuições das hidrovias ao desenvolvimento sustentável da América do Sul?.

Agencia Estado,

24 de novembro de 2003 | 08h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.