Situação ambiental na América Latina se deteriora, diz ONU

O meio ambiente se deteriora na América Latina devido à crescente degradação. Relatório das Nações Unidas cita a devastação da terra, danos à biodiversidade, matas em extinção e água contaminada. Ao mesmo tempo em que os indicadores ecológicos continuam piorando, as nações da região não fazem o suficiente e deveriam "seguir um modelo diferente ao utilizado pelos países desenvolvidos" e que "reduza o consumo e o desperdício", afirma o documento.Sob o título de "Geo, América Latina e o Caribe, perspectiva do meio ambiente 2003", o informe é fruto de uma exaustiva análise na qual foram combinados dados socioeconômicos com ecológicos. A América Latina tem, segundo o relatório, 576 milhões de hectares cultiváveis. No entanto, a desertificação - notável na Argentina, Brasil, Chile, Cuba, México e Peru - e a contaminação por agrotóxicos afetam 313 milhões de hectares, com um prejuízo anual de US$ 2 bilhões.Paralelamente, na década de 90 foram destruídos cerca de 47 milhões de hectares de matas, um problema principalmente grave no Caribe. Pior ainda, muitas nações oferecem incentivos a empresas dedicadas à extração de madeira, diz o informe. Entre os fenômenos de maior impacto, o documento lamenta a contaminação dos recursos hídricos, o que afeta a saúde dos latino-americanos.

Agencia Estado,

18 de fevereiro de 2004 | 19h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.