Sobe para 24 número de mortos pela doença misteriosa na China

O número de mortos pela doença transmitida pelos porcos na província de Sichuan, no sul da China, subiu para 24. A Organização Mundial de Saúde (OMS) advertiu que acompanha de perto a situação, informou hoje a imprensa local. O número de afetados subiu para 117 -76 com sintomas e 41 confirmados, destes 21 estão em estado crítico, confirmou o Ministério da Saúde da China. "É uma situação que requer estreita vigilância devido à alta taxa de mortalidade", ressaltou Bob Dietz, porta-voz da OMS em Manila, citado pelo jornal independente South China Morning Post. As grandes doses de antibióticos administradas aosafetados não estão surtindo efeito, por isso o Centro de Controle e Prevenção de Doenças está fazendo testes para encontrar um tratamento mais eficaz, declarou um porta-voz do ministério. O misterioso mal, que se originou em fazendas de porcos e ovelhas de 73 aldeias ao redor das cidades de Ziyang e Neijiang, foi atribuído a uma bactéria, a estreptococo suis, transmitida de porcos para seres humanos. A hipótese de que possa se tratar dagripe aviária ou da Síndrome Respiratória Severa e Grave (Sars) foi descartada. "Não existem provas de que a doença possa se espalhar entre seres humanos", ressaltou o porta-voz do ministério, Mao Qunan. Segundo ele, os especialistas estão pesquisando para descobrir como a bactéria passa de porcos para humanos, embora duvide das informações de que seja por picadas de mosquito. Especialistas concordam com a preocupação da OMS porque até agora, segundo explicaram, a infecção nunca tinha causado "grandes focos" em seres humanos. No entanto, um professor de veterinária da Universidade de Agricultura de Nanjing, leste da China, disse que o alto número de pessoas infectadas se explica porque na China os porcos são criados em pequenas fazendas, ao contrário dos países ocidentais. Até o momento, no mundo todo foram registrados 200 casos de contágio da bactéria em seres humanos, sobretudo no norte da Europa e no Sudeste Asiático.

Agencia Estado,

27 de julho de 2005 | 01h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.