Somos todos estrelas

Imagine só: No início do universo, havia apenas hidrogênio, o elemento mais leve e mais simples da tabela periódica. Qualquer coisa mais pesada do que ele (ou seja, tudo mais que existe no universo hoje - carbono, nitrogênio, oxigênio, ferro, cálcio, sódio, etc) foi produzido dentro de estrelas, por meio da fusão de átomos de hidrogênio. Até que um dia essas estrelas explodem e lançam esses elementos no espaço, para servirem de ingrediente na formação de galáxias, planetas, seres humanos e outras coisas interessantes do tipo.   Conclusão: Você, eu, os ratos, as espigas de milho, as árvores, as montanhas, os oceanos e os planetas somos todos feitos de poeira estelar. Literalmente.   Vou tentar explicar um pouco melhor, recorrendo como sempre ao nosso bom e velho Lego - o brinquedo mais útil que já inventaram para explicar conceitos científicos. Imagine que o hidrogênio é uma peça de Lego, ou um átomo, formada por um único próton e um único elétron.   Quando você gruda dois Legos de hidrogênio, você forma hélio, um átomo com dois prótons e dois elétrons. Junte mais algumas peças e você chegará ao carbono, o elemento básico da química orgânica, com seis prótons e seis elétrons. E assim por diante, para formar todos os elementos da tabela periódica.   O curioso aqui é que as únicas crianças no universo com força suficiente para grudar átomos em vez de Legos são as estrelas. Como já expliquei em um dos meus artigos anteriores (A boa e velha luz do Sol), as estrelas são basicamente grandes fornalhas de gás quente que convertem hidrogênio em hélio, principalmente, mas também formam elementos mais pesados, como carbono, oxigênio, ferro, etc. Tudo isso fica acumulado no interior da estrela até que, no fim de sua vida, ela explode em uma supernova, lançando todos esses elementos no espaço interestelar, como uma nuvem de poeira que é soprada pelo vento.   Num processo que envolveu muitos bilhões de anos e muitos bilhões de estrelas (e que continua acontecendo hoje por todo o universo), essa poeirada toda foi se aglomerando pela força da gravidade para formar mais estrelas, galáxias, planetas, meteoros, pessoas, plantas e bactérias.   No total, 99% do universo visível ainda é formado basicamente de hidrogênio e hélio - o que parece meio tedioso, para ser bem sincero. O mais legal é o que está no outro 1% e que nós usamos para construir nossa pele, nossos olhos, nossos ossos, nossas casas e nossos computadores. O nosso corpo é composto, mais ou menos, 65% de oxigênio, 10% de hidrogênio (que se combinam para formar água, ou H2O), 18% de carbono, 3% de nitrogênio, 2% de cálcio e 2% de outros elementos. O planeta Terra é 35% ferro. Tudo isso produzido dentro de estrelas.   "Todos nós já estivemos dentro de uma ou mais estrelas em algum momento", diz o astrônomo Richard Binzel, professor de ciências planetárias do Massachusetts Institute of Technology (MIT).   Pense nisso a próxima vez que olhar para uma estrela.....Dica: Esse site, www.dayah.com/periodic/, tem uma ferramenta bem legal para explorar a tabela periódica e conhecer um pouco mais sobre os elementos do universo.

05 de junho de 2008 | 14h26

Tudo o que sabemos sobre:
átomoselementoshidrogênioestrelas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.