China Daily via REUTERS
China Daily via REUTERS

Sonda chinesa pousa com sucesso na Lua

Feito foi anunciado pela agência de notícias da China; principal tarefa da missão é perfurar 2 metros na superfície da Lua e recolher cerca de 2 quilos de rochas e outros detritos

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2020 | 13h30

Uma sonda espacial chinesa não tripulada pousou nesta terça-feira, 1º, na Lua, segundo informou a Xinhua, agência de notícias da China. A sonda Chang'e-5 "pousou na face visível da Lua na terça-feira à tarde", indicou a agencia estatal de notícias, citando a Administração Espacial Nacional Chinesa.

A sonda espacial Chang’e 5 decolou na madrugada de terça-feira, 24, na China (tarde de segunda-feira, 23, no Brasil) para coletar rochas e outras amostras da Lua e transportá-las à Terra

O lançamento da espaçonave ocorreu na base espacial de Wenchang, na ilha tropical chinesa de Hainan, às 4h30 da terça-feira (horário chinês), quando o foguete Longa Marcha-5, que transporta a sonda, saiu da plataforma.

Nome em homenagem à antiga deusa chinesa da Lua, a Chang’e 5 pesa oito toneladas e é composta de quatro módulos, que se encarregarão, respectivamente, da órbita em torno do satélite, da alunissagem, da decolagem lunar e do retorno à Terra.

A viagem foi outro marco na ascensão lenta, mas constante, da potência asiática até as estrelas. A China se tornou o terceiro país a colocar uma pessoa em órbita, há 17 anos, e o primeiro a pousar no lado oculto da Lua, em 2019. As ambições futuras incluem ter uma estação espacial permanente e colocar novamente pessoas na Lua, mais de 50 anos depois que o feito foi realizado pelos Estados Unidos

"A China estabelecerá suas metas de desenvolvimento na indústria espacial com base em suas próprias considerações de ciência e tecnologia de engenharia", disse Pei Zhaoyu, vice-diretor do Centro de Exploração Lunar e Engenharia Espacial da Administração Espacial Nacional da China, pouco antes do lançamento. 

A principal tarefa da missão é perfurar 2 metros na superfície da Lua e recolher cerca de 2 quilos de rochas e outros detritos. “Esta é a primeira missão não tripulada de coleta de amostras e retorno da Lua”, afirmou Zhaoyu, em declarações feitas à televisão estatal chinesa. “Este trabalho é mais complicado do que pegar com a mão amostras do solo lunar.”/COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Tudo o que sabemos sobre:
LuaChina [Ásia]exploração espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.