Sonda vai cartografar superfície da Lua

A sonda européia Smart-1 entrou na órbita da Lua na noite de segunda-feira, marcando o primeiro sucesso dos europeus neste tipo de missão. A chegada da pequena sonda - um cubo com cada lado medindo 1m x 1m e painéis solares que somam 12m de comprimento - marca também o sucesso do uso de íons como energia de propulsão.A Smart-1 vai cartografar a topografia e a composição mineralógica da Lua. Hoje ela está a uma distância entre 5 mil e 6 mil km do satélite e, nos próximos quatro dias, começará a descer progressivamente. Em meados de janeiro, a sonda definirá sua órbita de trabalho, que é elíptica, variando de 300 km do pólo sul e 3 mil km do pólo norte da Lua.A missão começou há 13 meses e a viagem até a Lua foi uma experiência em si. A Smart-1 foi carregada com 82 kg de xenônio (gás nobre) e só usou 59 kg deste combustível. A sonda, pesando 367 kg, testou com sucesso a propulsão a íons, fazendo uso dos painéis solares e motor elétrico."O sucesso surpreendente desta tecnologia nos dá esperanças de enviar naves a distâncias mais longas no espaço", disse Franco Bonacina, porta-voz da Agência Espacial Européia (ESA). "A Smart-1 rendeu algo como 2 milhões de km por litro, o que é um grande feito."O combustível economizado pela Smart-1 deve permitir que a missão seja ampliada por pelo menos mais seis meses - se houver patrocínio para tanto. A sonda foi produzida pela Swedish Space Corporation, financiada por cerca de 30 grupos europeus e americanos. Foi lançada num foguete Ariane-5 em setembro de 2003.Terminada sua missão, a Smart-1 deverá cair na superfície da Lua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.