Sondas Voyager mostram que o Sistema Solar é achatado

A Voyager 2 encontrou o limite do vento solar 2 bilhões de km mais perto do Sol que a Voyager 1

10 de dezembro de 2007 | 15h53

Lançadas no final dos anos 70, as duas sondas Voyager da Nasa chegaram recentemente aos limites do Sistema Solar, onde as partículas emitidas pelo Sol colidem com o gás do espaço entre as estrelas, e mostraram que a esfera de influência solar não é propriamente esférica, mas achatada.   Cada uma das sondas percorreu uma trajetória diferente, no entanto, com a Voyager 2 fazendo a passagem a 16 bilhões de quilômetros de distância de sua "irmã" e quase 2 bilhões de quilômetros mais perto do Sol - confirmando que o Sistema Solar é "achatado": o campo magnético interestelar deforma a bolha de partículas solares, empurrando-a para mais perto do Sol na região atravessada pela Voyager 2.   O vento solar sopra em todas as direções, criando uma bolha que vai além da órbita de Plutão. A Voyager 1 foi a primeira sonda a explorar o limite externo dessa região, chamada heliosfera, ao chegar à sua membrana externa em dezembro de 2004. A nave encontrou a onda de choque que cerca o Sistema Solar, o choque de terminação do vento solar, onde esse vento é desacelerado pela pressão do gás e do campo magnético do espaço interestelar.   A Voyager 2 foi a segunda nave a cruzar o choque de terminação, agora em 2007. Essa sonda tem um instrumento capaz de medir a velocidade, densidade e temperatura do vento solar, e que não funciona mais na Voyager 1. Além disso, a sonda número dois cruzou o choque pelo menos cinco vezes - a membrana se dilata e contrai, como ondas numa praia.

Tudo o que sabemos sobre:
voyagernasavento solarsol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.