Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Soro da Unesp para picada de abelha será testado em humanos

Produto é desenvolvido pelo Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos em parceria com o Instituto Vital Brazil

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

16 Março 2016 | 14h24

SOROCABA - Um soro contra picadas de abelhas desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, no interior de São Paulo, já pode entrar na fase final de testes. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a aplicação do antiveneno em pessoas para a avaliação de riscos e comprovação da eficácia, conforme divulgou a Unesp nesta terça-feira, 16. O produto, que ainda não tem similar, já passou pelas etapas pré-clínicas e agora será testado em humanos.

O soro antiapílico foi desenvolvido pelo Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap) da universidade, em parceria com o Instituto Vital Brazil, de Niterói, no Rio de Janeiro, e pode salvar a vida de pessoas atacadas por enxames de abelhas africanizadas. Esses insetos respondem pela maior parte das vítimas de acidentes com vespas e abelhas e causam em média 40 mortes por ano no Brasil.

Quando um adulto é picado por mais de 200 abelhas, o corpo recebe uma quantidade de venenos suficiente para causar lesões nos rins, fígado e coração, podendo levar à morte. Cerca de 20 mililitros do soro aplicado por via intravenosa trazem uma quantidade de anticorpos capaz de neutralizar 90% dos problemas causados pelas abelhas africanizadas. 

Os pacientes serão selecionados e receberão o soro em abril. Na primeira fase, 20 pessoas passarão pelos testes para a verificação de possíveis reações do organismo ao soro.

"Os médicos participantes do projeto serão responsáveis por definir qual paciente tem a indicação de soroterapia específica e a dose necessária", explicou o coordenador do Cevap, Rui Seabra Ferreira Jr.

A fase de testes será concluída com a aplicação do soro em mais 300 pacientes. De acordo com o pesquisador, se os resultados forem os esperados, a Anvisa deve autorizar a fabricação do antiapílico. O soro será fabricado pelo Vital Brazil, referência na produção de antídotos para o Sistema Público de Saúde (SUS).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.