Spray contra queimaduras graves dá bons resultados

Uma nova técnica para o tratamento de queimaduras usando um dispositivo em spray criado na Austrália e desenvolvido na Grã-Bretanha pode significar tratamentos mais rápidos e efetivos para as vítimas."Temos presenciado o que eu apenas poderia chamar de resultados miraculosos usando este tratamento", diz Liz James, chefe de pesquisa do hospital britânico Queen Victoria.O método atual de tratamento para queimaduras sérias é usar partes não afetadas de tecido do paciente, expandi-las mecanicamente e cobrir as partes queimadas como se fosse uma espécie de remendo que, com o tempo, se funde com a pele do resto do corpo.Isso se o tratamento der certo, entretanto. Boa parte dos pacientes permanece com cicatrizes das queimaduras.TesteO novo método também utiliza amostras de tecido saudável, mas o mistura em uma solução que é então borrifada na queimadura do paciente.Segundo Phil Gilbert, da equipe do Queen Victoria, o novo tratamento "pode cobrir áreas maiores, muito mais rápido e com menos cicatrizes", diz.A técnica foi utilizada para o tratamento de um homem que teve 90% de seu corpo queimado. "Iríamos ter enormes dificuldades de manter ele vivo se não usássemos esse tratamento", diz Gilbert.Apesar de a pele de John Barratt não parecer completamente normal - é fina, não tem poros ou folículos capilares - ele já recebeu alta do hospital e sua cútis já adquire uma coloração mais natural.A equipe do Queen Victoria se prepara agora para realizar o primeiro estudo aprofundado já feito sobre o tema. "Precisamos quantificar com precisão científica a qualidade do tratamento em termos de salvar vidas, cuidar de feridas e custos", diz Gilbert.O novo tratamento custa significativamente mais do que os métodos atuais, segundo Gilbert. "As pessoas precisam saber por que eles devem gastar milhões a mais em pacientes queimados, portanto precisamos produzir argumentos convincentes."

Agencia Estado,

06 de setembro de 2005 | 11h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.