SPVS descobre espécies raras de cogumelos no litoral do Paraná

Um levantamento de espécies de cogumelo nativas, na região litorânea do Paraná, já rendeu ao pesquisador André de Meijer, da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), duas descobertas interessantes, no curto período de um mês: um cogumelo gigante, registrado pela primeira vez no Brasil, e um ?parente próximo? de uma espécie medicinal da América do Norte. Em 12 de outubro, próximo à comunidade do Lageado, no município de Antonina, Meijer localizou a espécie de cogumelo gigante, que pesava cerca de 2kg, tinha um chapéu de 30 cm de diâmetro, pés de 40 cm de comprimento e 10 cm de espessura. Foi o primeiro registro brasileiro da espécie Macrocybe titans, típica dos trópicos das Américas, originalmente descrita na Flórida (EUA). O cogumelo coletado seguiu para Embrapa Florestas, para análise de suas propriedades e, em especial, de sua comestibilidade.Na última semana, Meijer fez a segunda descoberta, na Reserva Natural do Rio Cachoeira, da SPVS, também em Antonina: localizou espécimes de um cogumelo raro, cientificamente conhecido como Ganoderma stipitatum, que se distribui da América Central até Bolívia e Brasil. No Paraná, ocorre em altitudes inferiores a 400 m. Trata-se de um cogumelo de consistência dura, pé curto, lateral e chapéu aplainado, com poros muito finos, de um lado, e, de outro, superfície marrom-avermelhado-escura, brilhante e lisa, parecendo envernizada. O conjunto encontrado tinha 35 cm em seu diâmetro maior, com três fileiras concêntricas de chapéus. . Divulgação/SPVSO cogumelo brasileiro - Ganoderma stipitatum - pode ter propriedades medicinais, semelhantes às da espécie norte americana.De acordo com o pesquisador, este cogumelo é parecido com uma outra espécie do mesmo gênero - Ganoderma lucidum ? nativa do Hemisfério Norte e cultivada comercialmente por suas propriedades medicinais (contra tumores ou inflamações e antiviral). As amostras de G. stipitatum, coletadas no Paraná, também terão suas propriedades analisadas em laboratório.

Agencia Estado,

17 de novembro de 2003 | 16h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.