Substâncias contra o colesterol podem retardar Alzheimer

As substâncias que diminuem o nível de colesterol no sangue podem desacelerar a progressão do mal de Alzheimer, segundo um estudo publicado no Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry. Uma equipe de pesquisadores estudou durante seis anos a perda de funções cerebrais devido ao mal de Alzheimer em 342 pacientes internados em uma clínica especializada.Os doentes tinham uma média de 73 anos e, em sua maioria, eram mulheres. No total, 129 pacientes tinham níveis de colesterol anormais. A metade deles estava sendo tratada exclusivamente com estatinas. Dos demais pacientes, 105 também tinham níveis altos de colesterol, mas não recebiam nenhum tratamento para reduzi-los, enquanto os níveis de colesterol eram normais em 108 pessoas. Durante os três anos em que os doentes foram observados, o mal de Alzheimer se agravou, mas este processo foi significativamente mais lento nos pacientes tratados com medicamentos redutores do colesterol.A progressão da doença foi de 1,5 ponto ao ano nos doentes medicados, de 2,4 nos pacientes com colesterol, mas não submetidos a tratamento, e de 2,6 pontos naqueles cujos níveis de colesterol eram normais. O perfil do fator de risco do mal de Alzheimer, incluindo a alta pressão sanguínea e o diabetes, apenas se diferenciava entre os dois grupos com níveis de colesterol anormais.Os autores do estudo chegaram à conclusão de que os medicamentos utilizados para combater o colesterol podem atrasar a progressão do mal de Alzheimer, embora tenham reconhecido que será preciso um estudo com um universo de pacientes mais amplo para confirmar os resultados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.