Substituta de célula-tronco estaria no nariz, diz estudo

A ciência pode estar prestes a por um fim em sua briga com a Igreja em relação à utilização de embriões humanos para pesquisas genéticas. Isso porque foi divulgada nesta terça-feira uma pesquisa de cientistas australianos que revela a possibilidade de células do nariz substituírem as células-tronco embrionárias.Durante um estudo sobre o funcionamento do olfato, os cientistas descobriram que há células na região que se reproduzem da mesma forma que as dos embriões. Segundo a agência Efe, eles também perceberam que o processo regenerativo dessas células continua acontecendo na fase adulta. Os pesquisadores, que tiveram seu estudo parcialmente financiado pela Arquidiocese da Igreja Católica de Sydney, na Austrália, acreditam que se as células do nariz forem tratadas adequadamente, elas também poderão gerar outros tipos de células. Para eles, se isto estiver certo, há ainda uma outra vantagem: as células do nariz podem ser recolhidas ao longo de toda a vida.

Agencia Estado,

22 de março de 2005 | 09h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.