Sucesso da Discovery permite retomada da construção da ISS

A retomada dos vôos das naves americanas com o lançamento da Discovery permite à Rússia terminar a construção de seu segmento da Estação Espacial Internacional (ISS). Foi o que declarou o chefe da corporação aeroespacial russa Energia, Nikolai Sevastianov, depois de parabenizar a Nasa pelo "bem-sucedido lançamento" em Cabo Canaveral, que marca a volta dos EUA ao espaço depois da catástrofe do Columbia, em 2003.Durante todo este tempo, a substituição e o abastecimento das tripulações na ISS ficou a cargo das naves russas, as tripuladas Soyuz, e dos cargueiros automáticos Progress, o que obrigou à Rússia a paralisar grande parte de seu próprio programa espacial. Além disso, sem a capacidade de carga dos ônibus espaciais americanos para levar novas peças ao espaço, a construção da ISS acabou prejudicada. Sevastianov manifestou a satisfação porque "a nave voou finalmente ao espaço e a Rússia cumpriu todos seus compromissos com a parte americana", segundo a Interfax.O chefe da Energia disse que a Rússia agora planeja terminar, até 2011, a construção do segmento russo da ISS, em particular colocar em órbita e incorporar à plataforma espacial três novos módulos, um de energia, um laboratório e um experimental.De acordo com Sevastianov, a agência espacial russa Roscosmos e a Nasa deverão coordenar seus planos imediatos, pois o próximo vôo de uma nave para a ISS está programado para 9 de setembro, e em 8 de setembro a Rússia deve lançar uma nave Progress. Sobre o destino da ISS depois de 2010, quando os EUA pretendem encerrar o uso dos ônibus espaciais, Sevastianov disse que a Roscosmos e a Nasa estudam as possibilidades de usar naves de nova geração."Nós propomos utilizar nosso novo modelo de naves de uso múltiplo, a Clipper, no qual trabalha a corporação Energia, enquanto os americanos desenvolvem sua própria nave, a CEV", disse. Sevastianov disse ainda que o primeiro vôo de teste não-tripulado de uma Clipper russa está programado para 2011, e no ano seguinte acontecerá um vôo pilotado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.