Suécia lança trem movido a vacas

O primeiro trem movido a biogás fez sua viagem inaugural na Suécia. O combustível pode ser feito a partir dos restos mortais de animais. No caso sueco, vacas estão sendo abatidas e trituradas para dar impulso ao trem.O material orgânico é misturado a água e plantas e, após semanas de composição, dá origem ao gás metano que alimenta os motores.A Suécia tem apostado nos biocombustíveis para proteger o meio ambiente e, ao mesmo, escapar dos altos preços do petróleo no mercado internacional.O trem "movido a vacas" percorreu sem problemas, na segunda-feira, os 80 km que separam Linkoeping, ao sul de Estocolmo, à cidade litorânea de Vaestervik.1 vaca = 4 kmSegundo a empresa responsável pelo projeto, a Svensk Biogas, uma vaca dá origem a combustível suficiente para transportar o trem por 4 km. Ou seja, 20 vacas mortas são usadas para cada viagem do trem.Inicialmente, o trem percorrerá este trajeto uma vez por dia, "mas nossa ambição é que, eventualmente, ele faça duas ou mais viagens", disse Peter Unden, diretor de marketing da Svensk Biogás.Com apenas um vagão, o primeiro trem movido a biogás tem assentos para 60 passageiros. Trata-se de um antigo trem da Fiat, cujos motores a diesel foram substituídos por motores Volvo movidos a gás.130 km/hO trem está equipado com 11 reservatórios que comportam gás suficiente para percorrer 600 km sem necessidade de reabastecimento. Sua velocidade máxima é de 130 km/h.A Suécia, país conhecido por iniciativas ambientalistas, está na vanguarda do uso do biogás como fonte de energia renovável e não poluente.Em Linkoeping, uma frota de 65 ônibus já utiliza o biogás, assim como táxis, caminhões de lixo e muitos carros particulares.Segundo a Svensk Biogas, vários países já mostraram interesse no projeto do trem movido a biogás, entre eles a Índia - um país em que as vacas são consideradas sagradas.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2005 | 11h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.