Suécia lançará vôos para a aurora boreal

Aviões espaciais levarão turistas ao Ártico em vôos suborbitais a partir de 2012.

Claudia Varejão Wallin, BBC

01 de abril de 2008 | 12h05

A partir de 2012, turistas poderão ser lançados ao espaço na Suécia através do espetacular show de luzes da aurora boreal - o fenômeno visual que ocorre no céu do Pólo Norte. A iniciativa é da Virgin Galactic, a empresa de turismo espacial do bilionário inglês Richard Branson, em parceria com o consórcio sueco Spaceport Sweden.Os preparativos para os primeiros vôos espaciais para turistas a partir da base de Esrange, no norte da Suécia, foram detalhados nesta terça-feira, em entrevista coletiva no centro espacial sueco. A idéia da Virgin é fazer de Esrange, situada a 200 quilômetros do Círculo Ártico, a base européia do turismo espacial de Richard Branson. Os testes de vôos na base sueca devem começar ainda este ano. O presidente da Virgin Galactic, Will Whitehorn, destacou que a nave espacial comercial desenvolvida pela empresa está agora em fase final de construção em Mojave, na Califórnia. Os testes da nave SpaceShipTwo, com oito lugares, e sua nave-mãe, White Knight Two (WK2), estão programados para o fim de julho no Novo México, no sudoeste dos Estados Unidos."Os testes na base sueca serão iniciados imediatamente após os testes nos Estados Unidos, e talvez até ao mesmo tempo", disse Whitehorn à BBC Brasil.Na concepção da Virgin Galactic, a base sueca vai oferecer aos turistas um atrativo extra: viajar através das luzes brilhantes da aurora boreal. Fenômeno óticoTambém conhecida como noite polar, a aurora boreal é um fenômeno ótico que transforma o céu das regiões polares num espetáculo de cores luminosas. Os dramáticos raios de luz que rasgam o céu polar são produzidos em função do choque dos ventos solares com o campo magnético da Terra. No hemisfério sul, o fenômeno é conhecido como aurora astral.A aurora boreal ocorre geralmente nos meses de agosto a abril, e pode ser vista a olho nu durante a noite. Mas a visão de dentro da SpaceShipTwo promete ser consideravelmente melhor.A viagem da nave espacial rumo ao espaço através da aurora boreal terá 2h30 de duração. O espetáculo da noite polar poderá ser admirado através de grandes janelas circulares, localizadas nas paredes e no teto da fuselagem.A SpaceShipTwo será transportada pela nave-mãe até uma altura de 15 quilômetros, e em seguida acionará a força propulsora que, num espaço de seis minutos, vai impulsionar a nave até a altitude de 110 quilômetros.Durante cerca de cinco minutos, os turistas vão poder deixar seus assentos para viver a experiência da ausência de gravidade e apreciar a visão da curvatura da Terra. A nave inicia em seguida o retorno à atmosfera. Serão, portanto, vôos suborbitais, que atingem o espaço, mas não chegam a realizar uma evolução completa em torno do planeta.Durante o verão europeu, será possível presenciar o sol da meia-noite, fenômeno que ocorre durante dois meses nas datas próximas ao solstício de verão. BrasileiroEm entrevista por telefone à BBC Brasil, o presidente da Virgin Galactic revelou que um brasileiro consta da lista de 250 pessoas que já compraram com antecedência um bilhete para os vôos espaciais turísticos da empresa. Segundo a Virgin - uma de muitas empresas que investem no setor do turismo espacial -, entre seus futuros turistas espaciais estão o físico e escritor britânico Stephen Hawking e o designer francês Philippe Starck."Temos apenas um brasileiro até o momento", disse Whitehorn, prometendo informar em breve sua identidade.O preço por pessoa: US$ 200 mil (aproximadamente R$ 350 mil). Caro, mas nem tanto quanto outras férias espaciais disponíveis no mercado: um pacote de dez dias na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), por exemplo, sai por US$ 30 milhões - cerca de R$ 82 milhões.Cinco pessoas já realizaram a façanha desde que o empresário americano Dennis Tito foi lancado à ISS em 2001, tornando-se o primeiro turista espacial da história.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.