Telescópio ganha lente capaz de captar luz de quasares

Com uma profundidade de campo sem precedentes e com o poder de vasculhar, de uma única vez, uma área no céu do tamanho de uma lua cheia, a nova lente angular do Telescópio Britânico para o Infravermelho (Ukirt) pode tornar-se uma ferramenta importante para os astrônomos nos próximos meses.As primeiras imagens feitas com o equipamento, na sexta-feira (24/6), atestaram o seu poder. A lente - montada em Edimburgo, na Escócia, mas instalada em um telescópio no Havaí - é 20 vezes mais potente do que as de hoje.Por funcionar dentro do espectro do infravermelho ela tem condições de captar a luz de objetos distantes, como os quasares, que não são identificados pelas lentes normais, por causa da expansão do Universo. Esse processo impede que a luz chegue a um observador na Terra dentro do comprimento de onda do visível.Galáxias e trevasDevido aos primeiros resultados obtidos a partir do Oceano Pacífico, os pesquisadores acreditam que vasculhar o céu com o novo equipamento - e inclusive as galáxias mais próximas - será um passo decisivo para novas descobertas astronômicas.Uma das expectativas é a obtenção de mais detalhes sobre o fim da era das trevas do Universo. Passados 750 milhões do Big Bang, acreditam os astrônomos, as primeiras galáxias e os quasares começaram a brilhar.Outra missão que faz parte do projeto que engloba a nova lente é a descoberta de sistemas solares vizinhos ao da Terra.Os dados gerados pelo novo equipamento poderão ser usados por pesquisadores de todo o mundo. O trabalho de processar as imagens, entretanto, será restrito a um grupo de cem pessoas, que serão, praticamente, os mapeadores do universo.

Agencia Estado,

27 de junho de 2005 | 11h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.