Telescópios encontram indícios de tipo 'perdido' de buraco negro

Buraco negro de massa intermediária pode ajudar a explicar origem do núcelo de galáxias

30 Abril 2010 | 17h28

Novos dados obtidos pelos observatórios orbitais Chandra, da Nasa, e XMM-Newton, da Agência Espacial Europeia (ESA) reforçam a hipótese de existência de dois buracos negros de tamanho médio perto do centro de uma galáxia próxima. Durante décadas, cientistas encontraram provas fortes de dois tipos de buraco negro: a variedade de massa estelar, com cerca de dez vezes a massa do Sol, e os supermassivos, localizados no centro das galáxias, que têm de centenas de milhares a bilhões de vezes a massa solar.

 

A existência, ou não, de buracos negros de massa intermediária era um mistério. Sinais da presença desses objetos eram considerados polêmicos, e até agora não havia alegações da presença de mais de um desses corpos em uma só galáxia. Recentemente, uma equipe de pesquisadores encontrou  assinaturas de raios-X de dois buracos negros de tamanho médio na galáxia M82, a 12 milhões de anos-luz.

 

Imagem da galáxia M82 em várias faixas de luz, com foto em raios-X no destaque. Divulgação

 

"Esta é a primeira vez que bons indícios de dois buracos negros intermediários aparecem em uma mesma galáxia", disse Hua Feng, da Universidade Tsinghua na China, que encabeça a autoria de dois artigos descrevendo o resultado. "A localização próxima ao centro da galáxia pode trazer pistas sobre a origem dos maiores buracos negros do Universo, os supermassivos encontrados no centro da maioria das galáxias".

 

Um possível mecanismo para a formação de buracos negros supermassivos envolve uma reação em cadeia de colisões de estrelas  em aglomerados compactos, o que levaria ao surgimento de estrelas de massa extrema, que então entrariam em colapso, dando origem a buracos negros de massa média. Os aglomerados de estrelas então afundam até o centro da galáxia, onde os buracos negros de massa intermediária se fundiriam.

 

Nessa teoria, aglomerados que não tenham massa suficiente ou que não estejam perto o bastante do centro da galáxia não cairiam no núcleo, e os buracos negros que contivessem sobreviveriam.

 

"Não podemos dizer se o processo realmente ocorreu em M82, mas sabemos que ambos os possíveis buracos negros intermediários estão localizados dentro, ou nas proximidades, de aglomerados de estrelas", disse Phil Kaaret, da Universidade de Iowa, coautor de ambos os artigos. "Além disso, M82 é o local mais próximo com condições semelhantes às do Universo primitivo, com muitas estrelas em formação".

 

Os buracos negros são detectados graças à radiação emitida pela matéria que mergulha neles. No processo, o material é aquecido até emitr os raios-X que são captados pelos observatórios espaciais.

Mais conteúdo sobre:
buraco negro astronomia astrofísica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.