Teoria sobre força que une prótons e nêutrons leva o Nobel

Os americanos David J. Gross, H. David Politzer e Frank Wilczeck ganharam o Prêmio Nobel de Física de 2004, pelo trabalho que realizaram na descoberta e no estudo da força nuclear forte, que mantém as partículas unidas no núcleo dos átomos.A pesquisa dos três ajudou a ciência a se aproximar da "realização de um grande sonho, a formulação de uma teoria unificada compreendendo também a gravidade - uma teoria de tudo", diz a Academia Real de Ciências da Suécia.As descobertas dos três cientistas, publicadas em 1973, deram origem à chamada cromodinâmica quântica, teoria que descreve o comportamento dos quarks - partículas que compõem prótons e nêutrons. Ela é chamada de "cromodinâmica" porque usa os nomes das cores primárias para distinguir entre tipos de quarks."Essa teoria foi uma contribuição importante para o Modelo Padrão, a teoria que descreve toda a física relacionada à força eletromagnética, a força fraca (que é importante na produção de energia pelo Sol) e a força forte (que age entre os quarks)", diz a declaração da Academia.Gross, falando de Santa Bárbara, na Califórnia, disse-se "chocado" por vencer o prêmio. "Estou muito surpreso e honrado", declarou. Já Wilczek se disse gratificado, mas não surpreso. "não posso dier que esteja chocado, porque o trabalho está aí. Mas as chances (de ganhar o Nobel) são pequenas".O anúncio desta terça-feira dá continuidade à semana de apresentações do Nobel de 2004. Serão anunciados até o dia 11 de outubro os escolhidos em todas as seis categorias do prêmio.Além dos prêmios de Fisiologia/Medicina, anunciado ontem, e de Física, hoje, serão anunciados ainda os ganhadores nas áreas de Química, Literatura, o Nobel da Paz e o de Economia.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2004 | 10h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.