<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Termina sem acordo audiência sobre dragagem na baía de ilha Grande

A primeira audiência sobre a dragagem na Baía de Ilha Grande, no Sul do Estado, obra necessária para a construção da plataforma P-52 da Petrobras, deu mostras de que ambientalistas, pescadores, metalúrgicos e empreendedores estão longe de chegar a um consenso. Apesar de um debate longo, que durou sete horas, e da participação de todos os setores envolvidos, representados por cerca de 400 pessoas reunidas em Paraty, não foi possível definir um projeto comum.Segundo o secretário de Meio Ambiente de Paraty, Sergio Godoy Barbosa, a prefeitura deixou muito claro, durante a audiência, que não vai permitir o descarte do material dragado nos pontos definidos no Relatório de Impacto Ambiental, ou seja, a 12 milhas e a 26 milhas de distância do litoral - sendo que o primeiro deles fica dentro da Baía de Ilha Grande. "Não vamos abrir mão da nossa situação atual", afirmou, ressaltando que não está contra a dragagem, mas discorda da forma como o projeto foi elaborado."Estão criando um clima de animosidade, fazendo com que, se a obra for transferida, em decorrência de estudos complementares para a obra, nós sejamos os culpados", declarou Barbosa, referindo-se à pressão que diz estar sendo feita pelos representantes do Estaleiro Brasfels, responsável pela construção da plataforma. Barbosa, assim como ambientalistas que acompanham o caso, querem que o material retirado do fundo do mar para a construção do cais de acesso ao estaleiro seja jogado em um ponto do oceano a 31 milhas do litoral.Para o assessor da diretoria da Brasfels, Felipe Rizzo, a prefeitura de Paraty está criando um clima contra o projeto baseado em informações infundadas. "Não há nada que diga que o descarte nos pontos definidos vai causar prejuízos", afirmou , confirmando a possibilidade de que a obra seja realizada em outro município caso eventuais estudos de impacto ambiental complementares venham atrasar os prazos legais definidos para o projeto.Secretário estadual de Meio Ambiente em exercício e coordenador das audiências públicas, Alcebíades Sabino considerou que a primeira rodada foi proveitosa e, apesar de um ou outro ânimo exaltado, a tranqüilidade prevaleceu. "Estamos recolhendo subsídios, que são apresentados por ambas as partes, para que possamos, ao final, cobrar mais esclarecimentos da empresa ou finalizar o nosso parecer", informou, esclarecendo que a Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema) ainda não aprovou a obra."A Feema não concluiu seu parecer ainda. Mas já descartarmos o ponto A contido no projeto de impacto ambiental. Quem argumenta que fomos apressados dando a aprovação está mal informado", declarou.

Agencia Estado,

12 de julho de 2005 | 20h23

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.