Arquivo
Arquivo

Terremoto do Chile pode ter deixado dia mais curtos na Terra

Grandes deslocamentos de massa alteram eixo do planeta, afirma Nasa; mudança é mínima, mas permanente

estadao.com.br,

02 Março 2010 | 08h33

O terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o Chile na madrugada do sábado pode ter alterado o eixo de rotação da Terra e ter deixado os dias mais curtos, informaram nesta terça-feira, 2, cientistas da Agência Espacial dos EUA (Nasa), segundo o canal de notícias CNN.

 

A mudança é mínima e praticamente imperceptível, mas permanente. Cada dia durará 1,26 microssegundos a menos, segundo cálculos preliminares. Um microssegundo equivale a um milionésimo de segundo.

 

Um terremoto forte como o que atingiu o Chile desloca grandes porções de terra e rochas e altera a distribuição de massa no planeta. Quando esse balanço sofre mudanças, também é alterada a velocidade de rotação da Terra, que mede o começo e o fim de um dia quando o planeta dá a volta em torno de si mesmo.

 

"Qualquer evento mundial que envolva o movimento da massa terrestre afeta a rotação da Terra", disse Benjamin Fong Chao, do Centro de Voos Espaciais Goddard da Nasa em Greenbelt, no Estado de Maryland, explicando o fenômeno.

 

Os cientistas usam o exemplo de um patinador para esclarecer o fato. Quando o atleta coloca os braços junto ao corpo, ele gira mais rápido. Isso ocorre porque a distribuição de massa do seu corpo é alterada, o que afeta sua velocidade de rotação.

 

O geofísico Richard Gross, do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena, na Califórnia, usou um programa de computador para determinar como o terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o Chile no sábado pode afetar o planeta. Segundo Gross, o eixo da Terra se deslocou oito centímetros, o suficiente para alterar, mesmo que minimamente, a duração dos dias terrestres.

 

Tais mudanças já foram constatadas em outros tremores anteriores. Em 2004, o terremoto de magnitude 9,1 que gerou o tsunami no Oceano Índico reduziu o dia terrestre em 6,8 microssegundos.

 

Há, porém a possibilidade de que o tempo de duração dos dias aumentar. Se as Três Gargantas da China, local onde os asiáticos constroem a maior usina hidrelétrica do mundo, fossem preenchidas com água, o que daria cerca de 40 quilômetros cúbicos, o peso seria suficiente para alongar o dia em 0,06 microssegundos, segundo os especialistas da Nasa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.