Titã tem atividade geológica e carbono na atmosfera

A lua Titã, um satélite de dimensões planetárias que orbita Saturno, está "geologicamente viva" e, possivelmente, tem líquidos se movimentando em sua superfície, além de ter uma atmosfera rica em carbono, dizem os cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato (LPJ) da Nasa, em Pasadena.Apesar de não haver ainda uma comprovação da existência de lagos de metano e etano, como se supõe, as imagens e dados captados pela sonda euro-americana Cassini-Huygens acrescentam cada vez mais indícios neste sentido.Formas lineares longas detectadas pelas câmeras e radares indicam atividade geológica e superfícies planas escuras indicam a existência de lagos, segundo Charles Elachi, chefe da equipe de imagens do LPJ.Elachi disse que há uma "crescente confiança" quanto a estes sinais. Segundo relatou, a possível "região dos lagos" - já denominada Si-Si Cat, porque a filha de um membro da equipe a considerou parecida com a imagem do gato de Halloween - surge nas imagens com razoável destaque em relação ao restante do relevo, mais irregular.As imagens e dados foram coletados pela sonda em sua primeira aproximação a curta distância de Titã, a maior das 33 luas de Saturno e a única conhecida no Sistema Solar a ter uma atmosfera. A Cassini-Huygens passou a menos de 1,2 mil km de distância do satélite, na quarta-feira, e conseguiu "ver" um pouco mais através da densa e nebulosa capa atmosférica de Titã.O radar da sonda conseguiu mapear uma área de 1.995 km por 121 km, que começou a ser analisada na quarta-feira. O grande interesse em Titã se deve a suas características particulares no Sistema Solar e ao fato de, provavelmente, conter os elementos que permitiram o surgimento da vida na Terra. O carbono encontrado na atmosfera é um destes elementos.

Agencia Estado,

29 de outubro de 2004 | 14h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.