Tratamento contra menopausa pode causar câncer

O Centro Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Circ), ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS), informou neste sábado que os tratamentos hormonais de substituição (THS), tomados por milhares de mulheres no mundo para combater os efeitos da menopausa, são "cancerígenos".Os THS já eram classificados como agentes "possivelmente cancerígenos" pelo Circ, organismo com sede em Lyon, no sudeste da França. Estes tratamentos aumentam o risco de câncer de mama e de endométrio, segundo a nova avaliação feita por uma equipe de 21 especialistas de oito países."O risco aumenta com a duração do uso, e é superior ao de mulheres que usam tratamento baseado apenas em estrogênio", diz o relatório.Sobre as pílulas anticoncepcionais combinadas, que já eram consideradas cancerígenas, os especialistas informam que o risco afeta mais órgãos dos que se acreditava.Os cientistas sabiam que esses produtos aumentavam o risco de câncer de fígado e, a partir de agora, aparecem como causadores de câncer de mama e de colo do útero. No entanto, os especialistas afirmam que esses anticoncepcionais orais têm efeito protetor contra certos tipos de câncer, como o de endométrio e de ovários.A Circ recomenda, no entanto, uma análise rigorosa em cada país, pois não descarta que o efeito global dessas pílulas seja benéfico para a saúde pública. "Os anticoncepcionais orais e a hormonoterapia menopáusica têm efeitos benéficos e efeitos colaterais nefastos", afirma o centro.Por isso, acrescenta, "é importante que cada mulher que utilize esses produtos hormonais fale sobre os riscos e benefícios com seu médico, levando em conta sua situação pessoal e sua história familiar de câncer, além de outros antecedentes médicos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.