Três empresas disputam patente sobre clonagem animal

Para a empresa americana Geron, assim como para a maior parte da população mundial, a ovelha Dolly foi o primeiro clone de um animal adulto. A concorrente Infigen, entretanto, garante que foi a sua vaca Gene. Mas é a polêmica Advanced Cell Technology quem detém a patente sobre clonagem animal, obtida com os touros clonados George e Charlie.O fato é que Dolly, Gene, George e Charlie estão no centro de uma disputa legal entre as três empresas sobre o pioneirismo da clonagem e todo o lucro que isso pode trazer. Segundo o jornal The Boston Globe, a Administração de Drogas e Alimentos (FDA) dos EUA deve autorizar em março a comercialização de carne e laticínios derivados de animais clonados.Quem tiver a patente da clonagem, portanto, vai embolsar milhões de dólares com a venda de vacas clonadas e geneticamente modificadas para produzir mais leite. Sem falar no potencial desses animais para a produção de vacinas, enzimas e outras moléculas terapêuticas.A batalha sobre o domínio da patente 5.945.577 teve início há três semanas, mas pode durar anos. O culpado pela confusão seria o Escritório de Patentes dos EUA em Arlington, na Virgínia. A Geron, dona de Dolly, diz que o seu pedido de patente foi submetido primeiro, mas foi ignorado pelos funcionários, permitindo que a Advanced Cell Technology passasse à frente.Já a Infigen alega que os mesmos funcionários perderam a sua papelada. Todos concordam que Dolly foi o primeiro clone a nascer, em julho de 1996, mas a Infigen diz que foi a primeira a pesquisar a técnica.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2002 | 21h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.