Três perguntas para...

Letycia Janot, economista e criadora da iniciativa 'Água na Jarra'

ANDREA VIALLI, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2010 | 00h00

1. O que é o projeto Água na Jarra?

É uma iniciativa para incentivar a substituição da água engarrafada pela água tratada pela concessionária pública e filtrada, servida em recipientes reutilizáveis. O foco é promover essa troca em restaurantes, eventos, empresas e também estimular as pessoas a adotarem esse hábito no seu dia a dia.

2. Quais são os problemas relacionados ao consumo de água engarrafada?

Os problemas estão relacionados à forma como essa água chega até o consumidor. Para produzir a garrafa são gerados impactos ambientais relevantes, além dos efeitos indiretos gerados pelo transporte da água engarrafada e pelo descarte da embalagem. Mesmo que essa garrafa seja reciclada, o impacto ainda é grande.

3. Os restaurantes estão aderindo à causa?

Alguns restaurantes aderiram e outros estão em processo de adesão. A aceitação dos clientes à água servida na jarra é surpreendente. Procuramos estabelecimentos e chefs sensíveis à causa ambiental. No site aguanajarra.com.br damos visibilidade a esses estabelecimentos, no nosso guia de restaurantes.

CONSERVAÇÃO

Ursos são transferidos para o sul do Brasil

Os ursos-de-óculos (Tremarctos ornatus) Sara e Ney, do Parque Ecológico de São Carlos, a 230 quilômetros da capital, estão de mudança. Os dois, nascidos em julho de 2009, vão para o zoo de Porto Alegre. "Sara até tem um futuro marido à sua espera", disse Fernando Magnani, biólogo do parque. A transferência é necessária para a preservação da espécie.

CLIMA

Ilhas Maldivas podem estar em crescimento

As Maldivas, que se tornaram símbolo do perigo do aquecimento global, com a ameaça de desaparecimento, podem estar aumentando de tamanho. Paul Kench, geólogo da Universidade de Aukland, na Nova Zelândia, estuda o arquipélago. "Elas são como um organismo vivo, mudando constantemente", disse Kench à revista alemã Der Spiegel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.