Três perguntas para...Ronaldo Mazará,

Comissão de Veículos Elétricos e Híbridos da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade

Afra Balazina e Andrea Vialli, com Efe, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2010 | 00h00

1. O Brasil deve investir na produção de carros elétricos?

Esse é o caminho para o Brasil. Levando-se em conta o apelo ecológico dos veículos elétricos, seu uso no mercado brasileiro faz ainda mais sentido que em países como Estados Unidos e Japão, por causa da característica de nossa matriz energética.

2. Como esse investimento dever ser feito?

Deve ser algo bem planejado e de introdução gradativa, para se evitar impactos não desejáveis na cadeia produtiva. No Brasil atual, considerando-se a disponibilidade da tecnologia Flex, seria lógico pensarmos numa fase de introdução de veículos híbridos, que poderia começar no curto prazo, com motores elétrico e a combustão Flex. Essa tecnologia dominaria essa fase intermediária.

3. Como incentivar as pessoas a comprarem carros elétricos?

Incentivos fiscais serão essenciais nos primeiros anos para compensar o maior preço dos veículos elétricos, como acontece em toda introdução de novas tecnologias.

ESTADO DE EMERGÊNCIA

Incêndios na Rússia destroem florestas

Queimadas já devastaram, em 2010, mais de 550 mil hectares na Rússia e mataram 28 pessoas. A situação é pior no extremo leste do país, onde a superfície devastada por incêndios triplicou nas últimas 24 horas. O forte calor, superior a 40°C, e os ventos de até 70 km/h contribuem para agravar o problema.

RESÍDUOS SÓLIDOS

Política nacional será sancionada hoje

A Política Nacional dos Resíduos Sólidos, que regulamenta a gestão do lixo no País, será sancionada hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Será sancionada praticamente na íntegra, como elaboramos na Câmara", diz o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP), presidente do Grupo de Trabalho que elaborou o texto, aprovado pelo Senado em julho. O próximo passo é a regulamentação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.