Miguel Tovar/AP
Miguel Tovar/AP

Tumba descoberta pode ajudar a explicar fim do império maia

Sepulcro encontrado no sul do Mèxico mistura artefatos maias e da cultura que os sucedeu, os toltecas

Associated Press,

28 Janeiro 2010 | 14h51

Arqueólogos mexicanos descobriram uma tumba de 1.100 anos, do período de decadência da civilização maia, e que, esperam, poderá ajudar a entender o que aconteceu com essa cultura.

 

O arqueólogo Juan Yadeun disse que a tumba, e cerâmicas de uma outra cultura encontradas dentro dela, podem revelar quem ocupava a área maia de Tonina, no Estado de Chiapas, depois que o período clássico dos maias começou a desaparecer.

 

Especialistas mencionam guerras civis entre os maias, ou degradação ambiental, como possíveis causas da queda da cultura, começando a partir do ano 820 da Era Comum.

 

Mas Yadeun, que supervisiona o sítio arqueológico de Tonina para o Instituto Mexicano de Antropologia e História, disse que os artefatos da cultuar tolteca encontrados na tumba podem indicar outra explicação. Ele disse que a tumba data de entre 840 e 900.

 

"Está claro que essa é uma nova onda de ocupação, de pessoas que construíram esta tumba no estilo tolteca", disse Yadeun. "Isto é muito interessante, porque veremos, pelos ossos, quem essas pessoas são, depois do império maia".

 

Os toltecas eram originários das terras altas do México central, e aparentemente expandiram sua influência para as áreas de poderio maia, no sul. Acretia-se que dominaram o centro do México a partir da cidade de Tula - ao norte ad atual Cidade do México - entre os séculos 10 e 12, antes que os astecas atingissem proeminência.

 

Arqueólogos que não estão envolvidos na escavação pediram cautela antes que se tirem conclusões a partir de um só achado, destacando que o império maia cobria uma grande área.

Mais conteúdo sobre:
arqueologia méxico maias toltecas astecas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.