UE defende orçamento de projeto de navegação por satélite

A Comissão Européia defendeu nestasegunda-feira a previsão de gastos de 3,4 bilhões de euros (5bilhões de dólares) com o satélite Galileo após um relatórioafirmar que esse orçamento deve ser superado facilmente. A revista alemã Der Spiegel citou um relatório confidencialde Berlim com a previsão de que o Galileo, projetado pararivalizar com o norte-americano Global Positioning System(GPS), vai custar pelo menos 1,5 bilhão de euros a mais do queacredita o órgão executivo da União Européia. "As estimativas que nós temos são baseadas em terrenofirme", disse o porta-voz de transporte da Comissão, MicheleCercone, em reunião com jornalistas. A Der Spiegel também citou especialistas dos setoresfinanceiro e industrial, que disseram que o Galileo pode acabarcustando entre 5 bilhões e 10 bilhões de euros. Cercone disse que a previsão da Comissão leva em conta ocusto de construção da infra-estrutura necessária para lançar oprojeto em 2013. Ele acrescentou que outras previsões podem serbaseadas em períodos diferentes. O Galileo tem sofrido com anos de dúvidas sobre suaviabilidade e seus custos, apesar dos argumentos da ComissãoEuropéia de que ele criará milhares de empregos e vai assegurara independência do serviço norte-americano. Ministros orçamentários da União Européia concordaram, noano passado, em direcionar os recursos públicos não utilizados,a maior parte deles reservados para subsídios agrícolas, paracobrir um déficit de 2,4 bilhões de euros deixado pelo abandonode um grupo de companhias privadas, que temia pelalucratividade do projeto. Entre as empresas estavam a EADS, a francesa Thales eAlcatel-Lucent, a britânica Immarsat, a italiana Finmeccanica,as espanholas AENA e Hispasat e um grupo alemão, que incluía aDeutsche Telekom. (Reportagem de Marcin Grajewski)

REUTERS

14 de janeiro de 2008 | 17h04

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAUEGALILEO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.