UE estuda fundo de emergência para combater gripe aviária

A Comissão Européia estuda a criação de um fundo de solidariedade de um bilhão de euros (cerca de R$ 2,7 bilhões) para ser usado no caso de uma pandemia de gripe aviária. O dinheiro seria usado para comprar antivirais e desenvolver vacinas para combater a doença. De acordo com o comissário de saúde da União Européia, Markos Kyprianou, os 25 membros do bloco teriam que concordar com o fundo.A proposta surgiu quando ministros da Saúde europeus se reuniram na Grã-Bretanha para decidir como se preparar para uma pandemia da doença.O comissário Kyprianou disse que no caso de uma pandemia, o fundo "financiará o uso, ou a reposição de antivirais ou vacinas". O comissário confirmou que todos os Estados membros vão ser responsáveis por seus próprios planos de emergência, bem como por seus estoques de antivirais. Os planos serão examinados em uma reunião em Copenhague, na Dinamarca, na semana que vem. O anúncio do fundo foi feito na mesma semana em que foram registrados novos focos da gripe aviária na Rússia e na Romênia.Risco de pandemia - Os ministros da Saúde europeus voltaram a garantir que os recentes casos de gripe aviária na Romênia e na Turquia não significam que tenham aumentado os riscos de os europeus contraírem a doença. A ministra da Saúde britânica, Patricia Hewitt, ressaltou que uma pandemia de gripe nas aves e entre os humanos são questões separadas. Mas os ministros da Saúde europeus também ressaltaram a necessidade de se preparar para o risco de uma pandemia entre os humanos em algum momento no futuro.A versão mortal do vírus H5N1 da gripe aviária está afetando a população de aves e apenas algumas pessoas que tiveram contato próximo com as aves, no Sudeste Asiático. Na quinta-feira foi confirmada a morte de um tailandês que havia abatido, cozinhado e comido galinhas. Ele foi a 13ª vítima fatal da gripe aviária entre os humanos no país.A Organização Mundial da Saúde (OMS) está fazendo estoque de medicamentos para estar pronta a ajudar países afetados em qualquer local do mundo.A China também anunciou que 2,6 mil aves morreram em conseqüência da doença, no província autônoma da Mongólia Interior. O vírus H5N1 já provocou a morte de mais de 60 pessoas no Sudeste Asiático desde 2003.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2005 | 00h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.