Um beijo na alma

Sucesso na internet, Gustavo Mendes é a grande atração do Casseta & Planeta imitando Dilma

Alline Dauroiz, de O Estado de S. Paulo,

03 Junho 2012 | 16h26

Em comum com a presidente, só mesmo a mineirice e os dentinhos proeminentes, mas, após 1h40 de maquiagem, o humorista Gustavo Mendes assume não só as sobrancelhas arqueadas e o topete, mas também a voz, os bordões e a "fibra" da figura política mais importante do País. Nascido em Guarani, cidadezinha de 9 mil habitantes a 276 km de Belo Horizonte, em Minas, o comediante de 23 anos viu a vida mudar nos últimos dois meses, desde que passou a integrar a trupe do Casseta & Planeta.

 

"Quando gravei cenas da Dilma num supermercado, antes de o Casseta reestrear, muita gente achou que eu era uma atriz fantasiada", conta Gustavo, em entrevista por telefone ao Estado.

 

 

"Recentemente, ao gravar numa feira de negócios, todo mundo veio tirar fotos e imitar os bordões. A personagem atingiu a massa", comemora o humorista, que também está com a agenda de shows lotada pelo Brasil - com cachê, claro, mais alto após a exposição na Globo.

 

Tanto carisma também já rendeu a Gustavo outros benefícios, como a renovação de contrato com a emissora (o primeiro vence no próximo dia 30), mais espaço na 2.ª temporada do Casseta e a promessa de voltar a participar da novela Cheias de Charme (como fez na última semana), no papel do colunista social-gay-engraçado Elói.

 

A fama do mineiro, porém, começou bem antes, na internet, quando, juntamente com os amigos do grupo Teatro de Quintal (TQ), de Juiz de Fora, passou a postar vídeos com imitações da presidente dando broncas cheias de palavrões em políticos e personalidades.

 

"Eu e meus amigos tínhamos um site de humor e pensamos num projeto em que, a cada semana, um político se pronunciasse. Mas calhou de a Dilma ser a primeira, e a popularidade dela saiu do nosso controle", lembra. "O primeiro vídeo fiz para brincar, com a câmera do laptop, e postei no dia do 2.º turno (das eleições presidenciais de 2010)."

 

Logo, os vídeos passaram a se hospedar no canal do site humorístico Kibe Loko no YouTube e, hoje, não é raro encontrar alguns com 8 milhões de exibições.

Ainda que outros humoristas tenham imitado a presidente, Gustavo diz que a personagem surgiu de uma lacuna no mercado. "Queria um personagem forte que ninguém imitasse e vi que só havia sátiras da Dilma. Ninguém imitava a voz, até porque é dificílima. Ela tem um sotaque de lugar nenhum. Não é mineiro, não é gaúcho, é uma coisa meio termo. Então, primeiro encontrei essa voz, esse sotaque e, depois, os trejeitos", conta.

 

Para isso, o humorista diz ter visto muitos vídeos da presidente e que, por muitas noites, "dormiu e acordou" com Dilma na cabeça. "Agora ela é mais que uma imitação. Virou uma personagem forte, com características fortes, como a jogada de cabeça, os bordões e a bipolaridade que a faz ir do ódio ao amor numa frase."

 

Ao migrar para a TV aberta, um dos maiores temores de Gustavo era o fim dos palavrões, parte da graça da Dilma na web. "Depois, entendi que palavrão era uma forma de substituir conteúdo. Hoje, a Dilma do Casseta está infinitamente melhor, porque temos de produzir mais piada", explica Gustavo. Apesar dos textos da Dilma serem escritos por Gueminho Bernardes (do TQ), é Gustavo quem faz a redação final e pode incluir ou tirar piadas.

 

Mais educada, e não menos intimidadora, a Dilma do Casseta manteve os esporros por telefone e os afagos, no estilo "bate e assopra" que, dizem, é comum à figura real da presidente.

 

Segundo ele, a piada surgiu da imagem da Dilma "mãe do povo" da propaganda eleitoral, "daquela senhora meiga, que ama os animais, passeando com o cachorro". "Nós sabíamos que ela era uma mulher forte, então criamos o oposto disso. E, depois da bronca, ela diz que ama, como toda mãe. Mas juro que só depois do sucesso dos dois vídeos tivemos o feedback de que ela é meio assim."

 

E o que será que a Dilma real acha disso tudo? "Sei que ela já viu na internet e adorou. E o ex-marido (Carlos Araújo) disse que peguei bem o jeitão dela. Para o ex dizer isso, resumiu bem o trabalho", garante um bem-humorado Gustavo que, assim como a personagem, não desliga o telefone sem antes mandar "um beijo na alma".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.